segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

A afronta

"O pontapé no porco que andava fugido na A1, em Alverca, há pouco mais de uma semana, na sequência de um acidente, pode valer uma punição até 120 dias de suspensão e respetiva retenção no salário. Essa é a medida disciplinar mais grave que o militar arrisca, caso o processo de averiguações conduza a um processo disciplinar em que seja condenado. Entretanto, o porco já seguiu destino para ser abatido"
"...Ao que o JN apurou, no caso do militar ser condenado num processo disciplinar - o mais provável é que seja punido com uma repreensão escrita (podendo ser considerada grave) - que fica na ficha da carreira e pode condicionar futuras promoções...". (In Jornal de Notícias)

Assim vai o burgo. O polícia deveria ter pedido, educadamente, ao animal para se afastar. Este não deve ter compreendido o pedido e achou imensa graça em andar pela auto-estrada sem se arredar. A autoridade insistiu, mas o bicho não estava nem aí. Tinha outras preocupações, nomeadamente ver como se podiam enfeixar os carros uns nos outros, o que lá na porqueira onde vivera até então, não seria fácil. Esse era o seu grito do Ipiranga, a sua liberdade transitária.
Agora, o policial que o tentou afastar com o pé, num exercício de uma inaudita violência sobre o frágil animal, esse, fica em risco de sofrer castigo e perda de salário e com a folha de serviço maculada. Em Portugal, claro. Que mais nos irá acontecer?!

HSC

36 comentários:

Maria disse...

É um " LOUVA A DEUS " neste País à beira mar plantado. Que mais iremos ver? Anda tudo maluco ou quê? se até um porco mancha a folha de serviço de um policia..... inverteram-se prioridades.
Cpts
Carmen

Anónimo disse...

Que pena Meu deus...:-)
A sra viu o video?
Que mau gosto esse boneco que utilizou.
Que mau gosto este seu post. Nem parece seu...
Não se trata de um porco que de repente surge na auto-estrada a interromper o transito.
Um camião virou e os animais ficaram descontrolados e amedrontados. Ora que admiração...
O video mostra uns homens a tentar apanhar o porco e vem aquele imbecil e manda um pontapé ao porco. De facto é lindo. Sabemos que o animal iria para algum matadouro, sim, mas não é por isso que deve ser tratado ao pontapé. Aliás, para os matadouros a lei é clara e deve ser observada. Até pode ser que isso não aconteça. Mas os animais devem ser abatidos de forma rápida e que cause o minimo de dor possível.
Achar que o porco pode andar a levar pontapés só porque vai acabar no prato, é um pensamento muito deprimente. Sabe minha senhora, os animais também sentem dor. Também deprimem e também ficam tristes. Ter respeito pelos animais é uma questão de ética.
Sugiro-lhe um livro de Peter Singer 'libertação animal'. Peter Singer é um filósofo da atualidade e lhe que nem sequer tem animais de estimação. Mas é um especialista em ética. Nunca se esqueça disto: Os animais sentem!

zia disse...

Que história! mas neste país nada é de surpreender!
Segundo o que, numa destas manhãs, passou na sic há pessoas (badaladas!!!) que têm como animal de companhia o porco...
um abraço,
lb/zia

Teresa Peralta disse...



“Justiça, a quanto obrigas”!... Será que perderam a noção das prioridades e anda tudo de cabeça para baixo?!...
Nem vale a pena tentar perceber, porque, na melhor das hipóteses, depois da famigerada punição, e, do agendado abate, ainda se reúnem para um belo repasto, acompanhado pela peça teatral, intitulada, “porco morto, militar deposto”!..
Tudo isto é bastante caricato e, por isso, não sei se vou voltar a comer porco nos tempos mais próximos...
Um grande abraço


Anónimo disse...

O triunfo dos porcos no mandato do coelho.

miminhos cruzados disse...

CASO INÉDITO...

Pela primeira vez, discordo com a senhora. Ou seja, vejo as coisas por outro prisma: claro que o senhor agente da PSP fez bem ao tentar desviar o animal, evitando que ele fosse para o meio da auto-estrada, mas um pontapé na zona do maxilar (desconheço se tem denominação específica) foi um gesto de extrema violência, haviam mais dois populares a tentar controlar o porco e só o senhor agente usou de violência com o animal, isto de acordo com o vídeo que vi há dias na SIC. Sem contar que, a pontapeá-lo o senhor agente corria o risco de o assustar mesmo e podia ter acontecido que começasse a correr desvairado e, isso, poderia igualmente contribuir para um aparatoso acidente.
Desde cedo que lido com animais "da quinta" como chamamos no infantário onde trabalho (cavalos, porcos, vacas) e sempre aprendi que não precisamos de os temer, desde que os respeitemos.
No campo, aprendemos desde cedo que é mais fácil controlar um animal se ele não estiver assustado.

Pelo exposto, considero que o senhor agente não agiu da forma mais correcta. No entanto, enfim, considerando que a repreensão por escrito pode trazer entraves a futuras promoções de carreira e considerando que também o senhor agente estava nervoso ... sou da opinião que não deve ser alvo de uma sanção demasiado pesada.

Um abraço,
Vânia

Fatyly disse...

A meu ver neste caso e noutros é gritante a inversão de valores éticos e morais...e por vezes quem se levanta em defesa dos animais tratam-nos ainda pior.

Oxalá que o polícia não sofra nada e que arquivem...caso contrário deixo uma pergunta no ar...que adianta intervirem no quer que seja porque "são presos por terem cão ou por não terem"?

Minha nossa..."que mais nos irá acontecer"!

Alcipe disse...

Um escândalo! O triunfo dos porcos?

Anónimo disse...

Confesso que não gostei do pontapé do agente no animal. Mas como sou daqueles que se preocupa mais com a criança do que com o cão, com o agente do que com o porco, parece-me completamente ridícula esta ditadura do politicamente correcto que se vem a instalar no nosso país... Na verdade ninguém quer saber do porco e/ou das suas “costeletas”... preocupam-se é dar "no lombo" do agente, porque cada vez mais "homo homini lupus" e a inexistência (parca existência) das instituições contribui para esta nova ditadura do anónimo (que como imagem só se contenta com a perfeição).

N371111

Helena Sacadura Cabral disse...

Caros comentadores
Eu não defendo que se tratem mal os animais.
Defendo é que se não puna um policial, com suspensão de salário por quatro meses e folha de serviço manchada, por ter tido um gesto infeliz, que vemos todos os dias praticados às saídas das discotecas sem que ninguém se incomode por isso.
Para não falar já do sofrimento que certos animais ultimamente têm provocado em humanos a quem mordem. E não têm sido poucos os casos...

Maria Joao Morgado disse...

Mas será que ainda há algum bom senso neste país?! Tanto problema realmente grave para tentarmos resolver e a "primeira página" que merecemos é sobre ... um porco!!!
:(

Anónimo disse...

Assim vai o mundo e Portugal nesta caso concreto!Um acto provavelmente espontaneo do agente, levanta uma onda de protestos e indignação de pessoas que se preocupam muito com os direitos dos animais, o que é legitimo, mas se esquecem de valores humanos. Tudo tem que ter conta peso e medida...........por amor de Deus! Que exagero!

FL

Anónimo disse...

É com muita tristeza que vejo como ainda estamos em relação aos animais. Houve aqui quem criticasse as pessoas que têm como animal de companhia um porco, certamente não sabem nada de nada do que sentem e são os animais...pena!
Sabemos todos que a maioria das pessoas são de uma brutalidade enorme, ora o que aqui se passou foi um acidente com um camião de transporte desses animais, uns ficaram extremamente magoados, já para não falar do stress que passam nesses transportes horas e horas fechados sem direito a água e depois quando entram no matadouro são na maioria das vezes içados por aquele ferro, ainda vivos, isto tudo depois de uma vida em total clausura sem espaço e sem luz do sol, uma brutalidade medieval. Mas isso pouco interessa por cá em Portugal. Há tanta coisa para falar em relação a este assunto do respeito pelas outras formas de vida, é só olhar tb para o flagelo do abandono, à conta disso tenho 3 cães todos resgatados em péssimo estado,
Um conselho olhar os olhos deles, tudo muda.
Abraço
Inês Galvão

Dalma disse...

Não estava em Portugal quando este episódio deve ter acontecido, mas pelos relatos que aqui li fiquei com uma ideia... sim começamos a ver os valores invertidos mas o que se passa neste retângulo é cópia dos países do chamado ocidente da Europa pois veja-se a legislação emanada pela UE relativamente a estes :" transporte em "classe executiva" e hotel de cinco ***** nas suas "residências"!
nem oito nem oitenta e já agora, discordo absolutamente da hipótese de tal condenação!
Em resumo estes "lobies" de proteção aos animais estão também aqui no nosso país a ter muita força!

Anónimo disse...

Sim, é verdade que tem havido casos de sofrimento provocado por animais. Sim. Mas as notícias diárias sobre o sofrimento humano, sobre as maldades que se fazem com o ser humano têm sido em numero assustador e na sua esmagadora maioria provocada por humanos, não por animais. O pai que atira na mulher e no filho, a mãe que envenena os filhos, filhos que matam pais, adultos que violam crianças ... infelizmente, ultimamente é com o que nos deparamos nos jornais. Desculpe lá, mas os casos de animais são muitissimo mais raros...ou discorda? Obviamente são tristes em ambos os casos e podiam ser evitados, mas as maldades provocadas por humanos não serão ainda mais intoleráveis?
E sim, os animais são seres sencientes. Lamento que, no sec. XXI ainda haja quem ignore este facto.
Quanto ao polícia, há gestos infelizes que não se podem ter. Além disso, naquele contexto (vejam bem o filme...), foi desapropriado. Compreendo que o senhor esteja habituado a mandar uns pontapés com aquelas botas pesadas e de respeito. Teve azar! Terá a sorte de tudo isto ficar em águas de bacalhau. No entanto, este video ficará para a posteridade e não abonará nadinha em seu favor. Já agora, sugiro alguma leitura sobre este animal em particular: o porco. O porco é um animal leal e inteligente. Está comprovado que os porcos são mais inteligentes do que os cães. Mas ok, presumo que isso não lhe interesse ...

Pôr do Sol disse...

Cara Helena,

Este mundo está virado do avesso.Há uma inversão de valores que me assusta grandemente.

Todos os dias, TODOS, temos noticia das depressões a que o desespero da falta de emprego, de condições de vida e a fome leva familias inteiras a desistir levando consigo crianças inocentes. Estas mesmas condições de vida levam os adolecentes ao abandono e revolta pondo em risco professores e auxiliares, provocando-lhes até a morte.(pois sim, continuem a dizer que foi coincidencia).

Gostaria de conhecer o contributo destes defensores dos animais para uma sociedade de humanos, melhor.

Haja paciencia!

Benó disse...

Um homem vai à pesca no alto mar. Apanha um espadarte e anda horas às voltas colm o peixe até ele m orrer e puxá-lo para bordo. O peixe sofre?
Uma mulher tem um quintal com galinhas. Precisa de apanhar uma para alimentar umas certas pessoas que há muito tempo não sabem o que é uma refeição. Corre atrás do bicho que, evidentemente, amedrontado foge para longe. Desenrola-se uma perseguição até que o ser humano já cansado atira uma cana à ave que fica tonta e deixa-se apanhar. É degolada vagarosamente para sangrar e proporcionar uma boa cabidela que irá alimentar alguns estomagos famintos. Qual é preferível? Não matar a galinha e não matar a fome ou matar a galinha e matar a fome?
Poderei estar a ser um pouco cínica mas eu vejo tanta hipocrisia em defesa dos animais.
Não fico aborrecida se não publicar este meu comentário.

Teresa Peralta disse...


Concordo em absoluto!
Ontem à noite, quando respondi ao seu post, tentei transmitir aquilo que já há algum tempo venho a constatar: a loucura pela protecção dos animais, que defendo, no entanto, reconhecendo que é tudo um exagero... Conseguem colocar sempre os direitos humanos em segundo plano... Perante tal acontecimento, o militar pode ter ficado nervoso, sem saber se, ao colocar a mão no porco, o mesmo, não reagisse da melhor maneira... Mas, como sempre , não interessa o sentimento humano, e até neste caso, a preocupação do próprio guarda em defender os outros automobilistas, mas sim, o desafecto que o porco poderia ter sentido, naquela hora.
Espero que reconsiderem e que repreendam o guarda, sem lhe aplicarem esta desregrada punição.
Um abraço

rmg disse...


Drª Helena

Tem toda a razão no post e no comentário aos comentadores .

Mas estamos rodeados de pessoas que atribuem "sentimentos humanos" a qualquer animal que lhes convenha e pessoas que atribuem "sentimentos animais" a qualquer humano que não lhes convenha .

E que ainda escolhem sistemáticamente em defesa das suas teorias a comparação entre os piores dos humanos e os melhores dos animais .
Há uma coisa que se chama "honestidade intelectual" e que é reconhecível independentemente de estarmos ou não de acordo com "o outro" .

RuiMG

Anónimo disse...

Que gente fria e má é esta?
Já que se comem animais podem-se maltratar? É isso que pensam? Pois façam o favor de visitar um matadouro. Façam-no na altura da Pascoa quando os cabritos bebés estão na linha da matança... e choram! Choram! sentem a morte, o cheiro..e choram! conhecem o choro dos bebés? os cabritinhos choram assim enquanto esperam a sua vez de morrer. Os animais sentem medo, sentem angústia, sentem dor. Nós temos de nos alimentar é certo, mas porque raio não podemos fazer tudo para minimizar o sofrimento animal? Não! Para a maior parte do que aqui escreveram isso é coisa que não interessa nada. Iremos ser sempre um país muito atrasado. E, sinceramente, não sei o que muitos de vocês vão fazer à igreja, se têm esse coração tão 'embrutecido'...
Maria Helena

Anónimo disse...

Quem é este animal, será o Relvas?
Parece, mesmo com o colar de pérolas.
Serafim Saudade

Helena Sacadura Cabral disse...

Cara Maria Helena
Este, é um espaço de diálogo, de expressão de opiniões. Não de agressão verbal.
O que cada um vai fazer à Igreja é da sua estrita privacidade e não vejo por que chama-la para este debate.
Repito que ninguém aqui defendeu os maus tratos aos animais. Apenas considerámos que os homens são mais importantes do que os bichos. Que a maioria se não importa de comer. Pelo menos enquanto não formos todos vegetarianos!

ana v. disse...

Ó Helena, agora a sério: estou pasmada com a coincidência e com a sintonia! Escrevemos praticamente o mesmo e até usámos a mesma imagem!! Isto há-de querer dizer alguma coisa, não te parece?
Olha, um beijo. :-)

Anónimo disse...

Sou contra o mau trato dos animais, mas nem tanto à terra nem tanto ao mar!!!
Se o animal tivesse provocado algum acidente ainda mais grave e o polícia não tivesse feito nada, era porque não fazia nada, deu um pontapé (um gesto infeliz, é certo) é porque deu... enfim...
é triste é este polícia poder ter esta pena e um marido que maltrata a mulher, passa a noite na prisão e no dia a seguir volta para a sua alegra casinha para voltar a maltratar a pobre mulher, que muitas vezes não tem com que se defender...
vivemos mesmo num país muito triste!!!
Ana Gonçalves

Anónimo disse...

Eu dos porcos só gosto daqueles que como no prato, isto a propósito do comentário de Serafim Saudade.
Quanto aos chutes, só poupo aqueles que como no prato, já aos outros...
Aliás, acho uma ofensa ao porco chamar porco a um porcalhão de um político, porque, infelizmente, os há cada vez mais. Talvez porque estejam mais afoitos, ultimamente.
E, já que falamos de porco – e não de porcos, coisa diferente – nada como um bom naco de porco preto!
Em certos países da Europa, ao que me chegou, quer os porcos, quer as vacas, para além de bem tratados, dá-se-lhes a ouvir música clássica, de quando em quando, para aliviar o tédio. Já os tais porcalhões, consta-me, preferem musica pimba. Gostos de porcos e "porcos"!
P.Rufino

Maria Lisboa disse...

Começo por me confessar sua, quase incondicional, admiradora. Porém, este seu post entristeceu-me de tal modo que só a indignação me faz comentar. Não lhe esperava tanta frieza nem tanta complacência com um gesto tão demonstrativo da agressividade de um agente que deve estar treinado para saber enfrentar com alguma calma situações de streess, ainda que nem me pareça que aquele fosse o caso, dado que o trânsito estava já interrompido. Não quero mal ao Exmo. Sr. Agente da GNR, no entanto, deixar sem "castigo" tal atitude é abrir a porta a todo o tipo de abusos. Como reagirá o Exmo. Sr. Agente face, por exemplo a uma manifestação, onde, aí sim, se criam situações de grande tensão?
Lamento pois que se desvalorize o gesto e que se considere a sua punição, seja ela qual for, uma inversão de valores.

Raúl Mesquita disse...

Aqui discordamos, Cara Helena. Não sabemos se o dito militar "o afastou com o pé" ou "lhe deu um valente coice"! Partindo do princípio de que os mamíferos não humanos são totalmente irracionais, o que duvido, o porco devia sentir-se aflito fora do seu habitat num ambiente muito hostil para, ainda por cima, levar um coice. Insisto na palavra. Se o seu destino foi ser abatido, o que lamento, o mau trato não é desculpado. Haveria de certeza outros meios de o tirar dali. Não posso compreender qualquer tipo de violência contra humanos nem contra animais.

Raúl.


Anónimo disse...

Valha-nos Deus! Tantos comentários por causa de um pontapé num porco, com o objectivo de o desviar de maus caminhos... E os pontapés que se tem dado aos manifestantes para desviar caminho...dêsses quási não há comentários!

rmg disse...


Cara Drª Helena

Acho que nesta altura já tem resposta à questão que pôs no fim do post .

Por aqui se vê que na defesa dos seus fundamentalismos e preconceitos ingénuos as pessoas nem perdem tempo a interpretar o que as outras escreveram - sacam das armas e começam a disparar em todas as direcções .

Portanto mistura-se tudo , é isso que está a dar , dizem-se coisas que se acham bonitas porque estamos na época de dizer coisas bonitas ainda que não se mexa um dedo (fora do computador !) para resolver o problema concreto de nenhum humano (excepto os mais chegados e mesmo assim …) ou de nenhum animal .

Limpam-se consciências sentadinhos em casa e com meia dúzia de “likes” .

De resto as coisas só podem piorar num mundo onde a hipocrisia campeia sob a capa das boas intenções , que de boas pouco ou nada têem , pois são na maior parte das vezes meros oportunismos do momento ou da moda muito reforçados com essas construtoras de solidão que são as redes sociais .
As pessoas têem dezenas de amigos no ecrã e nem um na rua .

Basta aliàs ler as pessoas que ficaram desapontadas com o seu post para perceber algo : uma vida como a sua é esquecida por pessoas que consigo aqui convivem por causa de um bicho com quem nunca lhes passaria pela cabeça conviver (já nem falo da evidente má-criação associada a alguns comentários) .

Claro que estão todos a defender o princípio em si , que outra coisa poderia ser , o que eu fui buscar …
Mas também é um princípio em si respeitar a opinião de alguém que sempre se caracterizou pelo desassombro das suas opiniões sem entrar na crítica primitiva , achava eu …

Enquanto vivi num 3º andar em Lisboa nunca quis ter cães em casa , sempre achei que isso não fazia qualquer sentido , um animal é para andar sempre à solta , dia e noite , ter espaço para correr , brincar e pesquisar.

Desde que me reformei e passei a viver quase sempre no campo , numa casa bem maior e com um bom jardim tudo isto mudou .

Acho assim muito curioso (e muitíssimo triste) que a enorme maioria dos que me criticam porque não choro com as angústias e os stresses dos animais tenham os deles (egoistamente) confinados a 4paredes a vida inteira e muitas vezes limitados (digamos assim …) nas suas actividades reprodutoras .

Admito portanto humildemente que não lhes tenho de todo nenhum respeito e muito menos qualquer amor , porque os quero a fazer aquilo de que gostam e no ambiente deles e não aquilo de que eu gosto e no meu ambiente .

RuiMG





Anónimo disse...

Cara Helena,

Na minha opinião quem fez isto a um animal, certamente, também o fazia a uma pessoa.

Vi o vídeo e pareceu-me um gesto gratuito, com agressividade e a puxar para o bruta-montes.

Não sou fundamentalista, mas sou defensora dos direitos dos animais. No entanto, não sou daquelas pessoas, como para aqui já disseram, de defender os animais e depois tê-los no prato.

Desde a adolescência que reduzi o consumo de carne, como mesmo muito pouco ou quando não tenho alternativa.

Claro que a punição é exagerada tendo em conta outros casos, mas...

Isabel BP

Anónimo disse...

Todo este «romance» é de facto de lamentar. Eu estava lá, na outra faixa onde todas as pessoas (com crianças nos carros) ficaram encurraladas durante três horas e, perante a notícia da sanção,tal desproporção,o mundo ao contrário, ofereci-me imediatamente para testemunha do GNR. Os GNR, PSP e bombeiros tentaram, com grande dificuldade, evitar desastres nessa faixa norte-sul (havia dezenas de porcos vivos, loucos, espalhados pela via)e não foi tarefa fácil.. A GNR de hoje, educada e qualificada, presta serviço sério e digno às pessoas. Estou à vontade em reconhecê-lo, porque me lembro de como era a GNR noutros tempos...

TMC disse...

Partir do princípio que quem defende animais não defende seres humanos é de uma ignorância atroz. Partir do princípio que um ser humano vale mais que qualquer outro ser vivo é de uma arrogância atroz. E assim está o meu país, cheio de ignorantes e arrogantes nas mais diversas matérias. Só posso dizer que me entristece mas, infelizmente, não me surpreende...

Anónimo disse...

Fico incrédula com alguns comentários em defesa dos animais, eu também respeito os animais, mas cada macaco no seu galho, gostaria de ver os defensores do porco a controlar o animal, aliás a pessoa que filmou, o acontecimento, provavelmente uma suposta defensora dos animais teria feito melhor figura indo lá e com toda a dipulmacia, controlar o animal. já agora sabem que o porco é um animal que não conhece o dono, pois infelizmente já assisti a um caso em que o dono caiu no curral dos seus porcos, sendo comido por eles. Depois da queda não se conseguiu levantar e eles mataram-no, infelizmente quando a esposa chegou já foi tarde demais.
Deixem a policia fazer o seu trabalho....

Anónimo disse...

Anónimo(a) das 17:20, essa teoria de que o "porco é um animal que não conhece o dono" é meia delirante... porque, o ser humano também "mata e esfola"!!!

Isabel BP

Anónimo disse...

Desculpe, mas não é teoria, é realidade, eu já tratei e criei de animais de várias raças desde; porcos, vacas, vitelos, ovelhas, cabras, coelhos, galinhas, perús, patos, gatos, cães, sendo o porco o único que não reconhece quem o trata, e não só é capaz de matar o dono, como de o comer.

Anónimo disse...

Anónimo das 13:34, continuo sem entender essa "teoria" do porco ser mau e não conhecer o dono por o matar para comer... Então o dono também é mau porque não conhece o porco e o mata para comer!

A diferença é que são poucos os porcos que matam os donos, o mesmo não se pode dizer do contrário.

Conclusão: O homem é mau porque não conhece o porco! :)

Isabel BP