domingo, 30 de setembro de 2012

Para Roma com amor

Confesso já que mesmo o pior filme de Woody Allen, como é o caso deste de que vou falar, constitui para mim, uma certa forma de prazer. Nunca me interroguei muito sobre o que é que me atrai naquele homem pequenino, míope, envelhecido, meio careca, encantador. E nunca fui dada a interessar-me por homens bonitos, atléticos, fulgurantes. Ao contrário sempre me atraíram os feios, mas muito inteligentes. Os anos passaram sobre mim e nesta matéria não mudei nem um milímetro.
Fui hoje ver "Para Roma com amor", película menor, mas que tem bem marcado o dedo e o sarcasmo do seu realizador. E até poderia ter sido uma grande fita se ele não estivesse já cansado.
As histórias, bem trabalhadas, tinham pano para mangas. Mas não foram. Mesmo assim, a do cantor de ópera, é de um non sense de morrer a rir e, por si só, já valeria a deslocação.
Acresce que Penelope Cruz depois da maternidade e de levar para casa esse monstro sagrado que é Bardem, enche o ecrã com o seu esplendor. Portanto, para passar hora e meia sem pensar na crise, vale a pena sentar-se na cadeira e pagar o bilhete!

HSC

11 comentários:

marina disse...

Também fui ver ontem e ri bastante com o cantor de ópera, mas como estive em Roma há pouco tempo, senti-me lá...e só por isso ainda gostei mais.
E crise, efectivamente até do meu emprego que está por um fio, na insolvência, com 250€ recebidos do mês de Agosto,me esqueci...pelo menos diverti-me por hora e meia!!!
Boa semana!

Isto e aquilo disse...

Eu também não perco um filme de Woody Allen e confesso que achei este fraquinho, ao contrário do de Paris que achei fabuloso e também o de Barcelona, só para falar nos últimos.
De resto, como habitualmente, concordo consigo.
Beijinho e boa semana.
Isabel Mouzinho

rosaamarela disse...

Tb fui ver este fim de semana e concordo absolutamente, mas gostei..

Fatyly disse...

Até que ia...mas já não dá...e não tarda se continuar assim...até irei abdicar da internet e tv por cabo.

É a vida "numa película maior" sobre a qual não tive qualquer culpa!

Madalena Amaral disse...

Está a ver porque é que gosto tanto de ler o que escreve? Porque consegue dizer as coisas pelas quais tenho dificuldade em me expressar, mas que são sentidas. Adorei a análise que fez sobre este filme, que também vi e vejo todos os do W.A. Está tudo dito no texto e concordo até com as virgulas (risos)

Paulo Abreu e Lima disse...

Helena, aconselha...? (como sabe não perco um só Woody Allen, mas desta série de filmes passados nas cidades europeias, só gostei do de Paris - e dizem tão mal deste último...)

O Sexo e a Idade disse...

Tenho de ir ver...

Silenciosamente ouvindo... disse...

Já vi o filme e subscrevo as suas
palavas e para rever algumas zonas
de Roma.
Esperava mais do filme, no entanto
concordo consigo: durante o tempo
de projecção do filme esqueci a
crise.
Beijinho
Irene Alves

Ana Gouveia disse...

Pois, WoodyAllen é sempre Woody Allen. Tenho de ir ver um dia destes.

Clara Luxo Correia disse...

...fui ver o filme no Sábado e gostei imenso. Tem momentos em que é verdadeiramente hilariante. No final a minha vontade era apanhar o primeiro avião e (re)visitar Roma. Também o recomendo. Bjinho

GONIO disse...

Da série de filmes com cidades europeias em fundo, este é o filme menor de Woody Allen. Há ali alguns momentos bem conseguidos (o tenor no duche, o reality show de Benigni), mas o filme não funciona como um todo. E é pena.
Apesar disso, Woody Allen é um realizador que nos deixa sempre com algumas questões na cabeça, e isso não deixa de ser um prazer.