domingo, 9 de setembro de 2012

Mais pobres


Não costumo usar esta coluna para defender familiares. Mas também não posso calar uma injustiça, só porque ele recai sobre alguém que me é aparentado.
Refiro-me a João Paulo Sacadura, que vê a TVI acabar com a Livraria Ideal e o Cartaz das Artes que, do meu ponto de vista  e no de muito boa gente eram, naquele canal, os únicos programas de difusão cultural passíveis desse nome e daquilo que hoje tanto se discute e se apelida de serviço público.
João Paulo Sacadura é um excelente profissional que ajudou a tornar conhecidos o rosto e a obra de muitos dos nossos melhores escritores, num trabalho que sei ter sido muito árduo e profundamente honesto.
Se a cultura é a identidade de um povo e disso se tem consciência, não se pode, em simultâneo, permitir que ela se transforme no parente mais pobre dessa mesma identidade. Decisões desta natureza só conseguem deixar-nos cada vez mais tristes e preocupados.
Espero sinceramente que o meu querido João Paulo possa ser imediatamente aproveitado por quem, em televisão, também esteja interessado em divulgar quem somos na arte e na escrita.


HSC

15 comentários:

Isto e aquilo disse...

É realmente incompreensível... O João Paulo é um excelente comunicador, dotado de um sentido de humor e de uma graça natural absolutamente irresistíveis. Conheci-o na Capela do rato qundo eramos ambos adolescentes e já na altura o seu poder de comunicação e as suas piadas certeiras davam nas vidas. Ainda há bem pouco tempo pude deliciar-me com a extraordinária apresentação que fez do seu livro "Aquilo em que acredito". É uma pena que programas destes acabem, mas o João Paulo fará sem dúvida qualquer outra coisa melhor ainda no sentido da divulgação (tão necessária) da nossa cultura.
Beijinho
Isabel Mouzinho

Silenciosamente ouvindo... disse...

Também espero que João Paulo Sacadura encontre colocação - porque merece.
Mas as programações dos canais
televisivos estão"um lixo".
Beijinhos
Irene

António Pedro Pereira disse...

A prova da importância do serviço público, uma coisa que ninguém sabe o que é, mas que cada um de nós descobre a cada momento.

Anónimo disse...

É inacreditável!!!
Desconhecia o fim desse programa cujo apresentador admiro pela forma com conversa com os entrevistados, com calma sem sobrepor a sua voz à dos convidados, procedimento tão comum noutros "profissionais".
Vamos de facto de mal a pior, não vou assistir certamente ao renascer dos bons hábitos e costumes, os jovens que nascem em lares onde existe interesse pela cultura ainda criam algumas bases e gosto pelas artes, agora os restantes..........
No entanto existe um canal que hoje mesmo vai passar a apresentar uma sequência de QUATRO telenovelas!

FL

Paulo Abreu e Lima disse...

Amiga Helena,

O João Paulo deixou uma outra carreira por amor à cultura e à divulgação cultural. Nunca me esqueci de ele um dia me questionar o que eu mais gostaria de ver no panorama cultural português. Ao que na altura respondi fazer chegar a todos o que de mais interessante se faz em Portugal. Rimo-nos, estávamos a falar de serviço público, coisa sempre muito pouco clara neste país de vistas curtas. Qual foi a minha alegria, uns anos depois, quando o vi a ingressar na TVI com um despretensioso programa de divulgação cultural...

De uma coisa não tenho dúvidas, ele não vai desistir, é um Excelente Profissional e um poço de vontade e boas energias. Força, João Paulo!

Abreijos, Helena.

Fatyly disse...

Via com agrado o programa, mas desconhecia ser seu familiar.
Que coisa mais estúpida...acabam com o que é bom e elevam o péssimo...mas em todos os canais até no público.

Malditas audiências!!!!

Anónimo disse...

Bom dia D. Helena,
confesso que nunca vi o programa, inclusive desconhecia até que a TVI tivesse tal aposta na sua programação, confesso, que até fiquei surpreendida.
É uma pena, todavia, que tenham optado por pôr cobro à edição ... é de louvar quem se dedica a manter viva a nossa identidade cultural.
Não só dá trabalho, como na realidade nem todos estão intelectualmente habilitados a fazê-lo.
Pobreza generalizada ... quem não pode frequentar locais de difusão cultural, pelo menos, sempre pode fazer-se valer destes programas.
É lamentável ... nem imagino como poderá vir a ser com a RTP privatizada!
Cumprimentos,
Cláudia

Teresa disse...

E ainda se torna mais chocante,porque são pagos 2 ordenados a apresentadore do programa da manhã,estreia de reality-lixo,e para um progra deste ,que era dos poucos que via nessa estação acaba!!!!! mas ninguém vê isto? Eu quando estou em casa também vejo a Querida Júlia,mas também gosto de ver outros programas,e se os retiram como posso fazer a minha escolha???

Lucilia Carmo Ferreira disse...

Concordo plenamente consigo.
Foi com tristeza que recebi essa informação, pois era uma espetadora assídua.

Observador disse...

Estimada D. Helena
Eis uma prova de que a cultura não é relevante para esta gente que apenas se preocupa com o 'share'.
Este é (ou foi) um dos programas de autêntico serviço público e com uma vertente cultural incomum.

Temos o que temos.
Será que merecemos?

Cumprimentos

Anónimo disse...

Mais pobres todos nós todos os dias em que estas coisas se sucedem. Distingue-se a mediocridade, extingue-se o que faz a diferença para melhor. Ser honesto e trabalhador infelizmente conta cada vez menos. Ser acéfalo, superficial, sem esqueleto e bajulador é que conta. E eu, que não sou política nem economista, cada vez acho que o problema vem da falta de nível e educação deste nosso povo. Soluções? não se avistam - eu pelo menos não estou a ver...

Inês, lisboa.

Anónimo disse...

Helena,

fico desolada. Gostava imenso de ver.
Faço meus os seus votos.

Maria

Mariana Castelo-Branco disse...

Tia, acho que é incrível que se acabem com os programas (os poucos que ainda há) que promovem a cultura no nosso pais. Mas mais incrível é que acabam com eles em troca de programas que são uma vergonha da nossa televisão, tal como a casa dos segredos.

Tenho a certeza que rapidamente o Tio João vai dar a volta por cima, é uma excelente pessoa =)

um grande beijinho Mariana (Pom Pom)

patricio branco disse...

subscrevo.
caminhamos para tempos nunca vistos ou imaginados, cara HSC, e o que está ainda por vir será obscurantismos, autos da fé, isto falando apenas no cultural que os responsaveis não consideram rentavel e ainda por cima custa uns €

José María Souza Costa disse...

Estimada, Helena Sacadura Cabral
Tomara, que o sr. João Paulo, retorne ás suas atividades. Afinal, o Brazil, é um País que clama por pessoas competentes, principalmente na area Cultural
Força, sorte e felicidades