quarta-feira, 9 de maio de 2012

Vamos indo


Retomei a normalidade do quotidiano. Foi com alguma dificuldade. Mas com uma enorme mais valia, porque faço tudo mais devagar. Encontrei finalmente tempo para olhar à minha volta e descobrir cores e volumes que via todos os dias sem os olhar.
Hoje fui lanchar com uma querida amiga ao Darwin, um local esplêndido na Fundação Champalimaud. Há muitos anos que não fazia isto a meio da semana. Na verdade, como gosto muito do que faço, enleio-me no  trabalho e perco a noção do lazer - descanso.
Agora estou noutra perspectiva. A de fazer só o que me der prazer. Por isso deliciei-me com a vista, o sol, o rio. As coisas simples da vida. Com a noção de que esta pode acabar a qualquer instante e que vale a pena estar atenta aos pequenos detalhes que nos trazem felicidade.
Sem qualquer nostalgia. Apenas sabendo que quando se perde tudo, o pouco com que se fica, é já uma riqueza...

HSC

52 comentários:

dreams disse...

Tenho uma admiração muito grande por si, já a tinha antes de ter perdido o seu filho, mas agora, admiro-a ainda mais. Uma Senhora, com S muito grande, corajosa e verdadeira. Força, coragem e fé, um dia estaremos todos juntos de novo. Beijinho!!!

Um Jeito Manso disse...

Grande Helena, sábia Helena,

É isso mesmo, aproveitar cada bocadinho de vida. É efémera a vida. Deve ser degustada com o vagar que merecem as coisas boas e breves.

Andar ao pé do rio é do mais tranquilizante que há, refresca a alma, parece que traz felicidade.

Um beijinho Helena e obrigada pelo que aprendemos consigo.

Anónimo disse...

Tenho 19 anos e esta é uma altura da vida que não é nada fácil ao contrário daquilo que se pensa. admiro-a bastante a sua personalidade, considero-a um ídolo, pois sempre acreditou nas suas convicções e conseguiu ser um guerreira enfrentando a sociedade cheia de estereótipos e preconceitos. Força

Anónimo disse...

Por ora , e se me der licença decidi vir aqui , sempre que possa,
para lhe dizer que continuo a admirá-la imenso.

" ...o pouco com que se fica , é já uma riqueza..." ,
Será isto uma nova versão do provérbio " quem se contenta com a sorte , é feliz até à morte" ?

Um abraço desta sua admiradora .

Anónimo disse...

Drª Helena Sacadura Cabral,

Sendo mãe de um adolescente de 16 anos mesmo não querendo o meu coração teme que algo lhe possa acontecer. Não imagino a dor que sente, mas como mãe que sou sinto que é algo que nos transcende pois uma mãe deveria ser a primeira a dizer aos seus filhos " um dia voltaremos a encontrar".
Admiro-a imenso, chorei com a entrevista que deu no passado Sábado na SIC. Parabéns pelo que é, pelo que transmite e sabe oferecer ao público em geral que a lê e escuta. Muito obrigada.
Disse algo na sua entrevista que achei imensa graça, pois fez-me lembrar o meu filho que também é Miguel, quando referiu que ele adorava "pisar" os limites quando marcava uma hora para ele chegar, aguardava atrás da porta da rua e só entrava 10 minutos depois...o meu filho é assim, deve ser do nome.
Mesmo depois de tudo o que passou e sente, só mesmo uma Senhora como é, pode dizer "A de fazer só o que me der prazer", "...estar atenta aos pequenos detalhes que nos trazem felicidade".
Só quero agradecer, porque é conhecendo pessoas como a Drª Helena e de ter educado dois filhos como o fez que me leva a pensar: como é bom estarmos vivos.
Permita-me deixar aqui um MUITO OBRIGADa e um beijinho de uma mãe para outra mãe.
Isabel

Nós disse...

Olá, Boa noite.
Chamo-me Helena, decidi procurar o seu blog depois de assistir à sua entrevista no "Alta Definição", de entre as muitas citações uma marcou-me pessoalmente: "Posso ter tudo, embora não possa possuir tudo", tal como esta última: "sabendo que quando se perde tudo, o pouco com que se fica, é já uma riqueza..." Penso que a maior riqueza é a humilde capacidade de aprender com as palavras de outrem... e assim teremos e possuiremos uma alma mais sábia. Obrigada.

Anónimo disse...

Drª Helena
Sempre fui sua admiradora,agora ainda mais.
Na realidade " os filhos são um empréstimo de Deus".
Também eu tive dois filhos emprestados por Deus, que agora estão juntos a seu filho Miguel.
Na realidade a vida continua...
Também vou caminhando pensando como eles gostariam de me ver.
Um abraço desta sua admiradora e solidária com sua dor.

Anónimo disse...

A velha senhora comoveu-se e, diz, logo lhe saíram 'rimalhices' várias que em nada rimavam com o seu habitual modo chocarreiro e por isso não revelou. Manda-me agora que envie estas como mais uma homenagem anónima a juntar às tantas que a Senhora tem recebido (e a que junto também, se me permite, a minha homenagem pessoal):

helena, não fui mãe,
mas sei o que é o amor.  
amiga, não há bem
como o amor, redentor
da vida e até da morte.
e o amor é coisa sua,
o seu amor é forte
e a vida continua.

Vânia Batista disse...

Compraz-me sabe-la de volta, Dr.ª Helena.
Quando li que gosta tanto do que faz que até se esquece de descansar, revi-me por inteiro, no excerto.
Eu ainda sou estudante e os professores que tenho bastante exigentes, pese embora sejam simultaneamente compreensivos e afáveis.
Desde que entrei para a faculdade esqueci-me de viver. Na faculdade estava as aulas todas a que podia assistir (embora tivesse de me ausentar em algumas por ser trabalhadora-estudante), chegava a casa passava todos os apontamentos da aula para o pc (todos os meus cadernos estão passados no pc e impressos, é mais fácil perceber o que está escrito e mais fácil para poder ajudar os meus colegas) e ao fim-de semana estudava 9 a 10h por dia. Enfim... perdi grande parte da minha vida na Escola Superior de Educação, até que um dia, sem saber porquê, acordei com imensas tonturas e muita falta de ar. Ao chegar ao hospital, os médicos que me assistiram foram unânimes: esgotamento. Felizmente, fui assistida por uma médica que me fez perceber que devia parar e que não era assim que eu ia atingir o sucesso escolar, ela até me mandou namorar mas eu prezo muito a minha liberdade e não fui nessas cantigas. Fiz o que ela me aconselhou... nunca mais estudei tanto, embora continue a aplicar-me ao máximo, e as notas melhoraram. Mas compreendo, por isso, também o deleite que colocou nas palavras quando relatava a tranquilidade com que vive atualmente, embora por motivos bem diferentes eu também tive de aprender a viver com mais tranquilidade e percebi que é muito bom, às vezes, colocar os livros na estante e ir apanhar um bocadinho de sol, ou ir até às minhas origens, Viana do Castelo, e esquecer que a faculdade existe. Só ao fim-de-semana, mas sim, agora sei que há mais vida para além do estudo (ou do trabalho). Renasci e aprendi a viver.

Um abraço,
Vânia Edite Batista

ves disse...

Soube neste blogue que tinha estado no programa "Alta Definição" do Daniel Oliveira, e no programa da Julia Pinheiro na Sic.

Por razões diferentes não vi os programas
em directo. Vi ontem à noite os videos.

È de facto uma pessoa muito invulgar! A sua objectividade, o seu pragmatismo com afectos, a forma despreconceituosa, mas elegante,a clarividência, com que fala dos assuntos, é notável, diria mesmo que é serviço público.

Muitos parabens pela pessoa que é!

Bj

cycle disse...

Tenho a revista Sábado, com a foto do Miguel na mesinha da minha sala. Não sei quanto tempo vai lá ficar...algum com certeza pois apesar de não ter conhecido pessoalmente o seu filho, admirava-o muito.

Beijinhos.

Isto e aquilo disse...

"Fazer das fraquezas força", como dizia o Paulo... A Helena é, de facto, uma inspiração, que nos dá lições de vida permanentemente e até nos momentos mais dolorosos e difíceis. Ou, talvez, sobretudo, nesses...
Obrigada por partilhar connosco essa sua maneira de ser e estar tão positiva e um abraço forte e muito apertado de todos os que a admiramos e gostamos de si. E somos tantos!...
Um grande beijinho
Isabel Mouzinho

Lena Lara disse...

Apenas agora consigo enfrentar o dia a dia sem dificuldade. Apesar de me julgar preparada e de acreditar em Deus hibernei, durante 3 meses e meio, depois da morte de um filho.
Tambem mudei de perspectiva e de inicio foi a jardinar que consegui descansar.

Ana disse...

Vindo da Senhora só podia ser assim! Com força e garra de viver!
Saboreie a vida e o que ela tem de melhor , por vezes é nas coisas simples que está o verdadeiro prazer! E, acredito que o sol desde a a semana passada brilha com mais intensidade!
Um beijinho e obrigada por tudo o que me ensina

Samuel Pimenta disse...

Helena Sacadura Cabral, é para mim um exemplo de uma mulher portuguesa de valor.
Bem-haja por isso.

ESEQUIEL disse...

...Obrigado pelo s/comentário! Obrigado pela sua coragem! Obrigado pelo seu exemplo ! Obrigado pelo seu AMOR!...
Obrigado pela MENSAGEM!
...como a "invejo" -MULHER/MÃE/CORAGEM!...
Um bj. -E.LINO!

Paulo Abreu e Lima disse...

No final ficam poucas coisas, mas, depuradas, são as essênciais e as possíveis.

Um beijinho amigo,
paulo

Daniel Cândido da Silva disse...

Helena

De tudo o que escreveu, tocou num ponto para mim lapidar: as coisas simples da vida. Os chavões "less is more" ou "simple is beautiful", fazem para mim todo o sentido. É na simplicidade das coisas que encontramos o brilho que tanta ostentação não dá.

Um beijo grato pela sua paz...

Mariana disse...

Querida Helena:
Nesta ultima semana tenho me apercebido de como a vida passa a correr por nós. Não só com o que lhe aconteceu, mas com documentários que tenho visto, histórias de vida que me têem contado e, tambeém pelo facto de que nessa mesma semana completei mais um ano de vida, 19 anos.
Eu sei que para alguns, 19 anos, ainda se é considerado um 'bebe' que acabou de acordar para a vida, mas para mim não... Tenho notado o quão rápido estes anos passaram e fico extremamente assustada.
Sempre achei piada a sua história de vida, de como tudo começou, e agora ainda mais, por tudo o que tem feito e por tudo o que lhe tem acontecido. Uma grande mulher e uma grande inspiração para mim.
Aqui vai um enorme e forte beijinho para si de uma grande admiradora sua!

Irundina disse...

Ontem partilhei, no meu facebook, a entrevista que deu ao "Alta Definição.
Sabe, gostei tanto que tive de o fazer.
Sou uma mãe solteira, recente, de um menino que tive a sorte de adoptar com 3 meses e meio de vida,agora com 18 meses, e é como diz, a minha vida mudou! Eu mudei!
Sou agora uma mulher feliz!

Helena Figueiredo disse...

Obrigada pela sua palavras.
Como se costuma dizer, cairem que nem uma luva, no meu dia de hoje.
Aceite um beijinho aqui desta pequena aldeia perdida no centro de Portugal.

Maria disse...

Tão verdade, mas tão verdade...
As coisas simples da vida são realmente as que importam e, às vezes, é importante que nos recordem essa verdade tão grande. Obrigada!
Beijinho grande cheio de carinho, de alguém que a admira muito

Pôr do Sol disse...

Um obrigada muito grande à amiga que lhe propocionou tal prazer. Esse é o desejo de quem anonimamente a admira.
O espaço Darwin é de facto um local muito aprazivel, e gozar a vida junto da Natureza é muito bom.
Tenha muitos desses momentos.

Anónimo disse...

Boa Tarde!
Sabe aquelas pessoas que nos marcam muito, mesmo elas não tendo a minima ideia disso?
Acontece-me isso em relação a si.
Admiro-a muito..desde há muito.!
No Sábado emocionei-me mt ao vê-la no programa AD.
Só espero que os meus filhos, Afonso e Salvador, tenham o mesmo orgulho da mãe, como os seus filhos e netos têm de si!

Ana Bourbon
Vila Nova de Famalicão

DD disse...

É a maior das verdades mas nós temos tanta dificuldade em nos lembrarmo-nos.
Mas a vida deve ser uma aprendizagem constante mesmo com as situações mais difíceis.
Força, muita força, que acredito que tem.
Um abraço.

Joana e Sofia disse...

Existem coisas na vida que não damos valor mas quando as fazemos como esse lanchinho com a amiga sabem lindamente.
Grande Srª e cheia de força e garra.

Beijos
Sofia

Maria disse...

Minha querida Helena:
Obrigada, por mais esta lição. As coisas que já aprendi consigo!
Admiro-a muito.
Abraço grande
Maria

Rakel disse...

Minha Querida (desculpe tratá-la assim, mas acredite que é com o máximo respeito) não consigo imaginar a sua dor, mas acredito que vai ter força para voltar a sorrir, para voltar a apreciar as coisas boas da via. Ficamos à espera, um dia destes, sem pressas, de uma sonora e linda gragalhada sua. Um beijo cheio de carinho

Lua disse...

Não posso deixar de lhe dizer que a sigo à muito tempo e acho-a uma mulher com um M muito grande, já li livros seus......já a referi no meu Blog, porque a admiro muito! Adoro a sua escrita, a sua forma clara, natural, humilde de expôr o que sente e ainda por cima na sua geração, que foi tudo muito mais dificil do que na minha, tenho 38 anos!! Sinto muito mesmo pela sua perda, creio que nenhuma mãe (também sou mãe) deveria assistir à partida dum filho........mas se foi esse o seu destino, só quero dar-lhe um apoio distante por palavras e que viva o melhor possivel dentro do seu sofrimento......continuarei a seguir os seus passos muito atenta a tudo o que escreve, é como uma fonte de inspiração. Bem haja a si e a toda a sua força!

Anónimo disse...

Minha Linda e Admirável Senhora,

A partida tão sentida por todos nós, do seu lindo Príncipe Miguel, leva-me só agora tomar a liberdade de lhe enviar um grande abraço cheio de AMOR e ternura.

Para colorir e desconjuntivar o meu bando de amigos hoje enviei-lhe um texto “as palavras sempre ficam “ e para grande surpresa descobri nele, “as palavras que sempre lhe direi “

Minha Linda e Admirável Senhora “OBRIGADO por todo o seu Amor, Verdade, Respeito “ e pelas leveza de todos os seus ensinamentos, sejam na dor ou na alegria.
"Quem escreve constrói um castelo, e quem lê passa a habitá-lo"
e dizer-lhe que me sinto também uma habitante de um dos seus fantásticos castelos.
GOSTO DE TI.
Cila David

Agulheta disse...

Olá Helena. É a primeira vez que venho a este espaço,posso dizer que é uma mulher de coragem como sempre gosto...preconceitos não.Só por isso lhe tiro o chapéu,o vosso filho Miguel do qual eu admirava,era um ser puro e frontal como todos devíamos ser,a criação faz disto como costumo dizer.Faz muito bem em viver cada dia melhor ele adoraria,um dia todos nos nos vamos encontrar é preciso esperança e fé e muita força para uma coragem de mulher,mãe e guerreira.
Um abraço

Benedita disse...

Querida Helena,
Vá devagarinho, saboreando só aquilo que lhe dá prazer, pois todos os que a admiram (e são muitos) estarão sempre deste lado para lhe deixar uma palavra de conforto, carinho e para lhe dizermos que nos faz falta a sua sabedoria e o seu sorriso.
Benedita

Anónimo disse...

Um dia de cada vez.Às vezes, uma hora de cada vez. Depois de novo um dia, e mais outro. Sem grandes planos (para quê?), sem prazos impossíveis, sem nos julgarmos insubstituíveis no trabalho. Um lanche à beira rio a meio da semana? Nem eu, que sou médica, lhe podia receitar melhor.
Abraço!
~inês, lisboa

Isabel Seixas disse...

Abraço amigo

Mariana B disse...

Seja qual for o meio de comunicação que nos traz as suas palavras, a nossa admiração por si só pode crescer!Pode acreditar que há muita gente que faz tudo para não perder as suas intervenções, gravamos, avisamos que está na televisão, choramos e rimos...um abraço muito sentido!

Ana Martins disse...

D. Helena, boa noite!
Já não sei muito bem como, caí aqui no seu blog, o que de certa forma me agradou muito, já que é uma Senhora que estimo e admiro.

Da dor da perda, não sei falar, fica-me um nó na garganta e tudo o que possa dizer, parece-me um grão de areia perdido no espaço do tempo em que nada disse.

Por isso, limito-me a deixar-lhe um beijinho como desejo de que esteja bem.

Ana Martins

ana disse...

Como gostava de poder concordar.
desejo um bom dia!

gabriela catarino disse...

Já lhe disse que a estimo demais porque é diferente e não teme por isso?
Já?
Ai,já,já.
Não deixe de ser quem é. Nunca.
Um enorme abraço.

Rita disse...

Que bom...que bom!

rosaria disse...

boa tarde Drª. Helena, uma mulher que eu sempre admirei, a sua gargalhada é uma delicia....hoje atrevi-me para lhe deixer um beijinho de uma mãe, que a admira muito,

Rosaria

Helena Sacadura Cabral disse...

Cara Isabel Jácome
Não publiquei como me pediu. Mas li. Bem haja!

Rafael Castellar das Neves disse...

Oi Helena! Muito bom aqui, estou conhecendo um pouco mais do seu trabalho (e gostando)..

Abraço,

Rafael
Desce Mais Uma!

Isabel tereso disse...

Cara Helena não tenho filhos, não consigo imaginar a sua dor, mas sei que é uma mulher de uma grandeza excepcional. O seu querido filho Miguel, só partiu antes de si... Um dia estarão novamente reunidos. Viver um dia de cada vez é o meu lema de vida(depois da morte do meu querido pai e recentemente do meu irmão que aos 52 anos teve um ataque miocárdio fulminante) O que me doi mais é os sonhos e planos que tinham para a vida, e vai ela trocou as voltas todas... Desculpe este discurso, mas não o vou apagar... Bem Haja Helena

Anónimo disse...

Quem vai para a Politica, não tem carater proprio, é isento de Humildade isento de Dignidade.

Isabel Maia Jácome disse...

Mais tranquila... muito obrigada. Beijinho
Bem haja também.
Isabel Maia Jácome

Marcolino disse...

Estimada Helena,
Só hoje tive oportunidade de lhe dar este meu abraço de grande estima e amizade!
Abraço
Marcolino

Anónimo disse...

Olá Helena

Sempre me identifiquei imenso consigo, temos a mesma formação académica e estudamos no mesmo sitio, no meu tempo ISE. Lembro-me inclusive muito bem de me cruzar lá com o Miguel... Sempre me identifiquei com a sua forma de estar na vida, até as suas gargalhadas parecem as minhas.

Vi a sua entrevista na "Alta definição" e passei o resto do fim de semana profundamente triste :
A Helena disse, que apesar das divergências politicas os seus filhos sempre se deram muito bem e essa era a sua grande obra!

Vi então o quanto somos diferentes porque essa minha obra ruiu e não sei se terá reconstrução possível.Afinal somos tão diferentes. Parabéns pela sua obra e parabéns pela grande mulher que é. Beijinhos

Irene Alves disse...

Vir aqui é aprender um pouco a viver
a vida.Obrigada por isso.
Bj.
Irene Alves

Helena Oneto disse...

A excelência e a dignidade vão de par en si.
Bem haja, querida amiga!

Emilia Celestino da Costa disse...

Querida Helena, deixo-lhe um abraço com um poema muito bonito do Kahlil Gibran, que em tempos publiquei no meu póprio blog a propósito do nosso papel como mães.

Your children are not your children.

They are the sons and daughters of Life's longing for itself.

They come through you but not from you,

And though they are with you yet they belong not to you.
You may give them your love but not your thoughts, 

For they have their own thoughts.

You may house their bodies but not their souls,

For their souls dwell in the house of tomorrow,
which you cannot visit, not even in your dreams.
You may strive to be like them, 
but seek not to make them like you.

For life goes not backward nor tarries with yesterday.
You are the bows from which your children
as living arrows are sent forth.

The archer sees the mark upon the path of the infinite,
and He bends you with His might 
that His arrows may go swift and far.

Let your bending in the archer's hand be for gladness;

For even as He loves the arrow that flies, 
so He loves also the bow that is stable.
Kahlil Gibran

Paula Pereira disse...

Boa noite,

Helena, minha querida não sei se conseguiria saborear a vida... mas sim seria essa a minha tentativa. Gostaria de chegar à sua idade com o mesmo brilho nos olhos e com a mesma sabedoria de vida, sem dúvida!
Obrigada por partilhar o seu testemunho de vida, ajuda-me a ser melhor, e por conseguinte uma melhor mãe.
Um grande Bem-Haja!
Paula Pereira

Zita disse...

Em primeiro lugar gostaria de lhe dizer que é muito engraçado gostar-se tanto de alguém que não se conhece.
Depois, gostaria de lhe afirmar que amei a sua entrevista ao "Alta definição". Quanta força estavam nas suas palavras! Quanta alegria estava no seu olhar, na sua espontânea gargalhada, na sua traquinice. Quanta magia e sabedoria nas suas palavras.
Por último (não pela ordem em que que escrevo) e a propósito da sua publicação no seu blog "Fio de prumo" sobre o desaparecimento do seu Miguel, lembrei-me de um escrito de Kahlil Gibran:

"Os Filhos

Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas da ânsia da vida por si mesma.
Vêm através de vós, mas não de vós.
E embora vivam convosco, não vos pertencem.
Podeis outorgar-lhes vosso amor, mas não vossos pensamentos,
Porque eles têm seus próprios pensamentos.
Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas;
Pois suas almas moram na mansão do amanhã,
Que vós não podeis visitar nem mesmo em sonho.
Podeis esforçar-vos por ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós,
Porque a vida não anda para trás e não se demora com os dias passados.
Vós sois os arcos dos quais vossos filhos são arremessados como flechas vivas.
O arqueiro mira o alvo na senda do infinito e vos estica com toda a sua força
Para que suas flechas se projetem, rápidas e para longe.
Que vosso encurvamento na mão do arqueiro seja vossa alegria:
Pois assim como ele ama a flecha que voa,
Ama também o arco que permanece estável."

Muito obrigada pela sua força.