sábado, 10 de março de 2012

Um Sábado em família

Adoro a minha família, a qual, diga-se de passagem, merece inteiramente este sentimento. Antes eu já gostava dela. Com a idade tenho vindo a gostar muito mais. Porquê? Não sei. Só sei que é assim!
Hoje levantei-me cedo, fui à bica, comprei jornais, almocei em casa de um filho que já só raramente vejo e que, entre duas cansativas viagens seguidas - bom filho que é -, não deixou de ir assistir, em Guimarães, à inauguração da exposição sobre a vida profissional do Nuno Portas.
Fiquei contente, devo confessar, eu que não estarei lá. Mas a vida é a vida e eu continuo a alegrar-me com os merecidos sucessos do Pai deles.
Para compensar, fui com a família do irmão mais novo, visitar a do irmão mais velho, porque a minha cunhada deu uma séria queda e teve que ser operada. Pois apesar dela se encontrar acamada, a risota dos manos foi geral.
Com efeito, a capacidade que nós todos temos de nos rirmos das nossas próprias desgraças é, de facto, exemplar.
Ora porque é que eu conto isto que não interessa a ninguém, que não aos próprios? Porque andamos todos muito zangados e não vale a pena.
A saúde e os afectos, esses sim, são muito mais importantes que tudo o resto.
Por isso a família e os amigos me fazem tanta falta. Sem eles, não sou ninguém!

HSC

8 comentários:

Anónimo disse...

Bom dia,
Desde à muito tempo sou sua admiradora... Não só pela boa disposição com que encara a vida, mas também pela frontalidade e naturalidade com que encara todos os assuntos. E também deve se por me chamar HELENA... rsss
Só muito recentemente descobri este seu blog e desde então tenho lido os seus posts. Este toca-me particularmente pela comum opinião da família nos fazer muita falta.
Sou de raízes humildes mas de família unida. A minha mãe é a matriarca a quem todos respeitam, a quem todos ouvem - ela é sem sombra de dúvida o nosso pilar!
Cumprimentos
HeLeNa Mendes

Alice Alfazema disse...

Eu gosto de histórias, de contos, de mensagens e, é de facto exemplar rirmos das nossas pequenas desgraças. São estas pequenas mensagens que muitas vezes nos fazem ligar o interuptor para uma nova atitude.
Abraço

João Pinto disse...

Os filhos são (quase) sempre o espelho dos pais. Muito mais importante que prelecções e grandes discursos, é o exemplo de vida oferecido quotidianamente. O pior é que os maus exemplos vão sendo cada vez em maior número, com os funestos resultados que vemos e ouvimos todos os dias. Por isso, saibamos dar o devido valor aos casos de sucesso que, felizmente, ainda são os mais numerosos.Bem haja.

Pôr do Sol disse...

Carissima Helena,
Parabens pela pessoa que é e pela familia que construiu.

Os valores que recebemos e que depois conseguimos transmitir mudam a atitude e as exigencias perante as agruras da vida.

Só com esses valores se enaltesse a importancia dos amigos e familiares perante a falta de saude e como eles nos ajudam a recuperar.

Votos de boa semana

Um Jeito Manso disse...

Olá Helena,

Costumo etiquetá-la como Coração Independente mas, ao ler este seu texto, apetece-me chamar Helena, Coração de Leoa.

Mãe, avó, irmã, cunhada, tia, amiga, e sempre, certamente, afectuosa e de gargalhada pronta. Ainda bem que conserva o dom de sorrir, de rir, de se recordar com carinho dos seus amores e de, num registo, tão leve, de uma leveza contagiante, aqui nos falar das suas andanças.

Tenha, Helena, uma boa semana e que tenha sempre motivos para andar bem com a vida para que esse seu sorriso tão franco a continue a iluminar.

Isabel Seixas disse...

Permita-me que subscreva Um jeito manso por me identificar com tudo o que disse.
Abraço de admiração

Meu_nome_Mulher disse...

Pois é Dra Helena

Depois de tudo o que li, pouco me deixaram para lhe escrever.
Resta-me reiterar a minha admiração pela Pessoa que é,
porque para mim o mais importante, é a pessoa em si e não o Estatuto que possa ter, embora todos saibamos que a Dra é "dotada" de um Estatuto ímpar.
Espero ler ainda por alguns anos, textos parecidos com o que escreveu sobre o valor da família e,sobremaneira,como se complementa com a sua.

Muitas Felicidades para a Dra, bem como para "essa" família, que sabe valorizar o termo em si!

Eu oh! disse...

Olá D.Helena,

Leio o seu blogue assim muito à sucapa, mas sou leitora assídua. E hoje ao ler este seu post, pensei que não me sinto tão sozinha porque no meu as vezes conto como correu o dia, o fim de semana, o meu estado de espirito, e por ai..

De facto não interessa a ninguém,achamos nós, mas ao lermos e até ao escrevermos, deixamos de pensar nas politiquices deste país que empobrece dia após dia, e até algumas pessoas para piorar a pobreza, estão a ficar pobres de espírito.

Para mim a família também é muito importante, e os amigos... o que seria de nós sem amigos?

Bjinhos e Boa noite