terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Somos os maiores...

Os portugueses são, não se duvide, os maiores.
"Segundo um estudo conjunto da Sociedade Portuguesa de Andrologia, Associação Portuguesa de Urologia e Lilly Portugal, 68% dos inquiridos nacionais têm sexo pelo menos duas vezes por semana. O nosso país surge, assim, acima da média dos restantes treze participantes e destaca-se, ainda, pela espontaneidade afectiva que marca 94% dos portugueses contra apenas 6% que planeia uma relação.
Esta análise revela ainda que o apetite sexual nacional desperta mais nos meses de Verão e aos sábados entre as 22h e as 2h da manhã. Mas em compensação apenas 3% dos inquiridos manifesta gosto em ter relações no Outono.
Nas "desculpas", quase sempre atribuídas às mulheres, o cansaço e as dores de cabeça estão topo da bitola".

Depois destas conclusões somos levados a pensar que é seguramente esta intensa actividade sexual, uma das razões que explica a baixa produtividade do nosso portuga. Estafa-se em casa e, claro, rende menos no trabalho...

HSC

22 comentários:

Anónimo disse...

Deve ser essa a razão da baixa de productividade. Bem observado...
Cuidado com o Outono, porém!

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro Anónimo das 15:25
É por isso que o governo tem estado a tomar tantas medidas!
É que no Verão...

Anónimo disse...

O Senhor Alcipe disse que ia oferecer à Senhora Dona Helena um livro de Pedro Homem de Mello intitulado "Nós Portugueses somos castos". Bem lhe disse que era um poeta muito antigo para uma senhora tão moderna, mas o Senhor Alcipe é cá um teimoso!

a) Feliciano da Mata

Helena Sacadura Cabral disse...

Ó meu caro Feliciano da Mata, eu sou tudo menos casta. 
Esclareça a Velha Senhora que da castidade já nem Pedro Homem de Melo se lembraria, apesar de crer que do oposto também se não lembrasse...

Feliciano da Mata, meu amigo, espevite a Velha Senhora, porque lá diz o ditado que há sempre uma tampa para o nosso tacho. Metaforicamente falando, claro, não vá a Senhora ofender-se!

Lá por ser reformada da medicina não tem que se reformar do resto,
 que é sal da vida.

Ela que siga o meu exemplo, que sou fresca que nem uma alface!

Anónimo disse...

Cara HSC
Diz-me a velha Senhora que gosta demais de si para se zangar consigo e sorri, benevolente, com a sua insistência em ligá-la a Alcipes, Matas, Mendes & Cia. E dedica-lhe um sonetilho a que ela própria - milagre de consideração e amizade, só pode - eufemisou rimas em -oda e -oder no terceto final:

rima e metro   rima a metro
passo a noite a rimalhar
não tenho estro nem maestro
o que tenho é falta de ar

por ver tão perto o espetro
do fim de mim apesar
de a grã noite em que penetro
ser o normal continuar 

da normal vida do mundo
que mui bem vive sem mim
só me lixa é não amar

(ó pinsamento profundo)
ser amada até ao fim 
(pró que me havia de dar)

Helena Sacadura Cabral disse...

Velha Senhora
Amar, amar, amar
a vida inteira.
É receita de doutora
que, sem eira nem beira,
só sabe aconselhar.

Ser amada até ao fim,
Dá um trabalho imenso.
Pior que colher capim
Debaixo de Sol intenso.

É verdade que gosto
De Alcipe, Mata, Mendes.
Todos eles no seu posto,
Vão rimando conscientes
De que odas e oderes,
São rimalhas indecentes
Para uma Senhora Velha
E de tão ilustres saberes!

Pôr do Sol disse...

Cara Helena,
Ainda acredita nestas sondagens? Em inqueritos de rua, onde se dá a cara?
Com a carga de horas de trabalho, e as preocupações por mantê-lo, que as pessoas têm em cima, não acredito nestes numeros.
Mas a falha deve ser minha, já acredito em pouquissimo

Anónimo disse...

Ó Senhora Dona Helena, o Senhor Alcipe acha muita graça a essas rimalhices todas e até diz que a tal Velha Senhora está a melhorar francamente o seu verso, mas olhe que eu acho sinceramente que a Senhora não devia misturar-se com essas versalhadas, olhe, desculpe, não são para a sua condição e mais não digo.

a) Feliciano da Mata

Dressa' disse...

aah mt legal seu blog ,, gosteiie pra carampa ,, parabens !! Seguindo concerteza .... segue de volta ta !! Bezooh ..

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro Feliciano da Mata
Tem toda a razão. Vou seguir o seu sábio conselho e mandar às urtigas este meu incipiente versejar.

Helena Sacadura Cabral disse...

Cara Pôr do Sol
Se eu acreditasse nesta excelente marca nacional não teria escrito o último parágrafo.
Mas, pelo menos, beneficia as nossas estatísticas que andam muito em baixo!

Alcipe disse...

Não dê ouvidos ao Mata: escreva, conte, ria, verseje o que quiser. Gostamos sempre de si e do que nos diz.

oteudoceolhar disse...

Drª Helena,

com o final do seu "desabafo" perdoe a palavra, mas é a que me ocorre. Levou-me a um sorriso.
Vá-se lá saber o porquê.
Um até breve. Maria Ferreira.

Meu_nome_Mulher disse...

Dra Helena
Desculpe a ousadia mas, só quero
reforçar o que escreve o Sr Feliciano da Mata.
A Senhora está muito acima de rimas
patéticas de "Uma Velha Senhora" que nada tem a ver com a "sábia jovem" (porque a idade está na mente Dra.Helena.
Quanto ao tema da sexualidade, mesmo que seja uma inverdade, sempre é mais um "troféu" para os
"tuguinhas" e que troféu !!!
Adorei o seu último parágrafo, afinal sempre existe uma razão "plausível" para a pouca produtividade do nosso País.

Um excelente dia para si !!

Pôr do Sol disse...

Tem, mais uma vez, razão Cara Helena. Se eu tivesse lido com outra atenção sentitia o seu tom e a sua genuina acutilancia.

Ainda, se me permite lhe digo que a nossa "baixa" produtividade tem mais a ver com os empresarios deste País, que com os trabalhadores.
Um bem haja para si.

Anónimo disse...

A velha Senhora sonetilha triste e versejalha rude:

minha mãe minha madrinha
quanta gente comentando
versinhos que uma velhinha
praqui rimalha a desmando

(até quando?)

boa helena amiga minha
não faço parte de bando
de gente com sarna ou tinha
não confie em qualquer mando

(nem brincando)

de não dever misturar-se
dada a sua condição
que é muito acima da rima
duma vil velha a queixar-se

por si tenho admiração
nem abaixo nem acima

(amizade é igualdade
jovem prima)

************

a senhora velha
não se diz caluda
sigo rimalhando
versos melhorando???!!!
não sou tartamuda
nem sou eu ovelha
que outrem grelha ou gruda
grito quando quero
rimalho por mero
prazer de abelhuda
e tudo rimalho
rimo rima ruda
ninguém atrapalho
trabalho trabalho
nunca fico muda
ai que deus me acuda

Isabel Seixas disse...

Eu acredito piamente nos resultados do estudo até acho que estão descritos por defeito...

Acho que se pode até melhorar a performance e caseira claro, onde a taxa moderadora é sazonal só depende da aspirina...

Anónimo disse...

A velha Senhora inconformada:

isabel que desperdício
duas ou três por semana
e eu praqui neste suplício
pra mim nada isso me dana

AL disse...

Simplestemente desolado com os 3% da sondagem: só os tontos podem negar a beleza do sexo no Outono, onde o lume crepita na lareira e nos corpos!

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro AL
Estou inteiramente de acordo consigo.
Sexo no Outono - seja estação ou vida -, tem, de facto, uma beleza especial.
No Outono a lareira dá um bem estar, uma envolvência, que nenhum ar condicionado alguma vez comporta.
Se for no outono da vida há uma languidez, um ritmo, uma plácida entrega de quem já muito sabe e se pode dar ao luxo de não ter vergonhas nem condicionantes!

AL disse...

Tenho para mim que a beleza do fogo, da sua luz, não está no desnudar a realidade em todo o seu pormenor, mas antes no seu saber de nos guiar, no nosso tatear, ao encontro do calor que aquece, que enlouquece, que ilumina a verdade que acontece, que quantas vezes queima e dói.

Meu_nome_Mulher disse...

Dra Helena

Nada a acrescentar, limito-me a
concordar a pleno com estas tão
sábias palavras.

""Se for no outono da vida há uma languidez, um ritmo, uma plácida entrega de quem já muito sabe e se pode dar ao luxo de não ter vergonhas nem condicionantes!""

Sublime o "conteúdo" !!!