domingo, 1 de janeiro de 2012

Já cá estamos!


Cá cheguei, finalmente, a 2012. Foi devagarinho, quase sem dar por isso. Ao contrário de alguns outros anos, bem mais ruidosos, que já tive. No fim, mesmo no fim, lá subi para uma cadeira com uma nota de 50 euros na mão, a pedir o melhor para os meus e para aqueles de quem gosto. Esqueci, é verdade, aqueles de quem não gosto. Mas ninguém é perfeito!
Hoje terminarei o primeiro dia dos restantes da minha vida, a jantar com um dos infantes, depois de ter tido à minha volta toda a família. E isto porque o meu irmão mais novo trouxe para o meio de nós uma Mulher incansável que durante as Festas não pensou em mais nada que não fosse dar-nos conforto, alegria e boa comida.
E assim se iniciou o meu novo ano.

HSC

11 comentários:

Monchique disse...

Por falar em comida: minhas filhas adoraram o seu livro de receitas que comprei para dar de prenda a cada uma.Tinha razão, a Marqueza de Alorna, escrita pela sua amiga Maria João Lopo de Carvalho lê-se com interesse.Uma boa leitura para as tardes frias neste Douro cada vez mais bonito e internacional. Muito Bom Ano para si e para seus Infantes (mais para um do que para outro, politicamente falando).

ERA UMA VEZ disse...

Cara Helena

Que Deus a proteja porque merece e também para que esse sorriso e força sejam inspiração para tantas mulheres... que este ano, mais do que nunca, precisam de "fazer das tripas coração"

EXCELENTE ANO 12 !!!

Julia Macias-Valet disse...

Querida Milady qual foi a navette espacial que apanhou ? : ))) Pra ca chegar ?

Ok, ok comprendo que a emoção de chegar ao ano do qual os Maias disseram que nao abalaremos provoque algum nervosismo dactilográfico : )

UM FELIZ ANO DE 2012 (com 1 so zero) !

Anónimo disse...

Já estamos em 2012? Cós diabos!
Por mim, abri a porta de 2012 muito devagarinho, para não o acordar, mas não deu resultado. Não que o velho 2011 me tenha deixado saudades. Enfim o destino deu-nos o mal e a caramunha 2011 e 2012. Desta vez, aos meus familiares e amigos, desejei: saúde e trabalho. Sou ou não sou amigo? E não bebi um bom espumante. Optei por um bom tinto, que sempre ajuda nestas coisas de sofrimento económico. Como nota divertida, recebi um telefonema, já em cima da meia-noite, de alguém que não conheço e dizer-me umas tantas "patusquices" na suposição de que eu era " alguém especial". Foi um daqueles enganos, raros, desta tecnologia dos telemóveis. Mas estive á altura. E a criatura não se ofendeu e até me desejou um "ano doce" (nunca ninguém antes me tinha desejado tal!).
Bom Ano para si, cara Drª HSC!
do seu leitor atento,
P.Rufino

Henrique ANTUNES FERREIRA disse...

Querida Helenamiga


O Vatefantasma volta a atacar…


O Ano Novo já entrou
pé ante é, de mansinho;
quem já dormia acordou
pra despedir o velhinho

De muletas e alquebrado
o velho nem quis saber
onde seria enterrado;
estava farto de viver

Mas o novo, um folgazão,
nem sequer lhe deu abraço
que era muita a confusão

Deu-lhe só um empurrão
pra ganhar o próprio espaço
ou escolher a… emigração


‘té parece que sou poeta… da treta

Qjs e na Travessa

Ana disse...

Ano 20 mil e 12? ;)

Helena Sacadura Cabral disse...

Amigos
Garanto que não foi a bebida quando escrevi 20012. Foi a mão. Mas fiquei radiante. Deram por ela e meteram-se comigo. Logo, leêm-me com atenção.

Anónimo disse...

Senhora Dona Helena

Viva o cabrito, abaixo a lampreia!

A cozinha proletária é farta, porque é feita para dar de comer aos famélicos da Terra! A cozinha burguesa, essa, é dada a regimes, dietas e contagens de calorias, porque está virada para os opulentos exploradores do Povo!

Li os seus livros de culinária, minha Senhora. Estão na linha justa, mas precisavam só de ter uma mais forte consistência teórica.

Feliciano da Mata (agora empresário de restauração)

Restaurante "Aux Forçats de la Faim"
Rue du Prolétaire Rouge
métro Jaurès

Blondewithaphd disse...

Boa ideia essa de passar o ano com uma notinha na mão. Essa da cadeira é que pode ser um perigo:)
Bom Ano!

Maria Luísa disse...

Que sorte a sua! Cá em casa eu é que tive de arcar com quase tudo ... até ficar de língua de fora, não falando nas dores de costas. Que venha o próximo e que todos nós o possamos o festejar. Bom Ano de 2012.

Anónimo disse...

Passou o ano com uma nota de 50 na mão? Quer dizer 50 euros? Mas existem notas de 50 euros?

Deve estar a mangar comigo, que nunca vi nenhuma de valor superior a 20.

Seja como for, Feliz 2012!

João Figueiredo