quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Três notícias




Aos 85 anos, Cayetana Fitz-James Stuart, duquesa de Alba e a mulher com mais títulos nobiliárquicos do mundo, casou pela terceira vez.
O marido é Afonso Díez Carabantes, um funcionário da Segurança Social, de 61 anos que, por não ter ascendência nobre e pela diferença de idades, criou polémica em torno das suas motivações.
Quando se casou pela primeira vez, a noiva tinha 21 anos e, apesar dos títulos e fortuna, a sua vida esteve longe de ser um mar de rosas.
Caetana Fitz-James Stuart vivia há três anos com o plebeu Alfonso Diez e conseguiu vencer, finalmente, o antagonismo familiar, depois de se ter desfeito de uma boa parte da sua imensa fortuna a favor dos filhos.
Apesar da oposição dos seus e de outros membros da realeza espanhola, fez as delícias de uma certa imprensa ao levar por diante o casamento.
A duquesa de Alba, numa cerimónia íntima transformou, assim, o marido plebeu, num novo duque, repetindo, o que já antes acontecera com Jesus Aguirre, seu segundo consorte.

No mesmo dia, morreu Steve Jobs o homem cujo nome se confunde com a Apple. O seu império começou na década de setenta quando ele e Steve Wozniak, numa garagem de Sillicon Valley, fundaram uma empresa - cujo símbolo é uma maçã trincada - destinada a desenvolver software informático.
Em 1984, a Apple lançou o Macintosh e no ano seguinte, Steve Jobs deixou-a para fundar a Next, cujo objectivo era o desenvolvimento de plataformas direccionadas aos mercados de educação e administração.
Todavia a compra da Next pela Apple, em 1996, traria Steve Jobs de volta à empresa que ajudou a fundar. De 1997 a 2011 será o seu presidente executivo.
Neste ano, já a sofrer de cancro, renuncia ao cargo e aponta Tim Cook - o número dois - como seu sucessor.
Sob a orientação de Jobs, a Apple lançou o iMac que se destacava pelo seu design inovador e pelo material utilizado. Mas não se limitou ao mercado informático. Nas telecomunicações lançou o iPhone, na música o iPod e, finalmente nos novos meios, o iPad.
Steve Jobs ficaria também ligado à criação de uma nova linguagem de 3D para desenhos animados.
Filho de estudantes universitários que o deram para adopção, Jobs casou com Laurene Powell em 1991 e teve quatro filhos. Um cancro no pâncreas e um posterior transplante de fígado levaria Jobs a abandonar este ano os comandos da Apple. Morreu ontem aos 56 anos.

Por fim, uma notícia publicada no Correio da Manhã, dá conhecimento de duas tentativas frustradas de José Socrates entrar em Sciences Politiques na Sorbonne, por o seu currículo não se adequar ao grau de exigência da instituição. Terá entrado finalmente para Filosofia, numa terceira tentativa.
A ser verdadeira, a situação não surpreenderá ninguém, se tivermos em linha de conta que o número de concorrentes àquela universidade é cerca de dez vezes superior ao número de vagas e nela só entrarem, mesmo, os melhores!

Nem foi preciso falar da República ou das manifestações que cada vez menos a ilustram. É que parece que os responsáveis ainda não se deram conta que não basta juntar numa praça, ao sol, uns ilustres de meia idade, para se honrar a opção política que Portugal fez em 5 de Outubro de 1910. É preciso muito mais!

HSC

10 comentários:

Maria Luísa disse...

A quem surpreende uma notícia destas? (refiro-me à 3ª). Uma criatura que não tem a mínima consciência das suas habilitações, ainda por cima fora do seu país - " é lamentável" ... expressão usada, por cá e até à exaustão, quando as coisas não lhe corriam de feição. Pois é, um pouquinho de humildade fica sempre bem! Em qualquer dos casos termine com êxito o curso a que se propôs e aprenda bem o francês.

Luís ALves disse...

Não foi o Steve Jobs que inventou o mp3. Ele inventou, sim, o iPod.

Apenas uma correcção, de um jovem leitor do seu blog - 20 anos - que aprecia muito a forma como vê a actualidade.

Continue!

Paulo de Abreu e Lima disse...

Cara Helena,

Lamentamos a morte de Steve Jobs e não comento a notícia do Correio da Manhã... Mas quanto à Duquesa de Alba ocorre-me a seguinte questão: uma pessoa que ao longo da sua vida acumulou fortuna, quer por herança ou quer por trabalho, tem obrigação moral de deixar herança aos seus descendentes? Da mesma forma que ganhou, não pode gastar até ao último tutano da maneira que melhor desejar? Acho que sim, que pode e até, porventura, deve "gastar" em vida tudo o que quiser. O imperativo moral está no sustento, instrução e educação que deve aos filhos. A partir daqui a mais nada é obrigada.

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro Luis Alves
Tem toda a razão. O inventor do MP3 foi um italiano Leonardo Chiariglioni, um especialista em compressão digital do som.

Helena Sacadura Cabral disse...

Meu caro Paulo
Aqui como em muitos países só se pode dispor da legítima,
A meu ver mal. Quem o ganhou devia poder fazer do se património o que entendesse. Até porque há maus filhos...

Anónimo disse...

A propósito da República, dei por mim a pensar qual será a diferença entre um Presidente da República e um Rei? O Rei já o é antes de nascer, o Presidente faz-me sempre lembrar o "Triunfo dos Porcos" de George Orwell. Que bem que se está aqui..

Pedro disse...

Leonardo Chiariglione, "obtained his Ph.D. degree at the University of Tokyo in 1973, where he also learned to speak Japanese. Chiariglione speaks seven languages including English and French." (da Wikipedia)

Leonardo foi um dos envolvidos no MP3, que não teve contributos únicos, é difícil dizer que foi uma só pessoa :) Veja-se por exemplo aqui.

O que a Wikipedia podia ter acrescentado: Leonardo fala perfeito Português, é uma das sete línguas. E como? O pai começou a aprender Espanhol e ele, por desafio ou "pirraça", foi aprender Português :)

Cunha Ribeiro disse...

OLá ilustre colega do Blog " Duas Ou très coisas":

Era só pra dizer que gosto do que escreve, das gargalhadas, etc.
E dizer tb que José Sócrates entrou em Filosofia, mas com um empurrão... E está a ver quem empurrou, não está?

Anónimo disse...

À vida da Duquesa de Alba aplica-se uma das frases do Steve Jobs:

“Não deixe o barulho da opinião dos outros calar a sua voz interior. E mais importante, tenha a coragem de seguir o seu coração e intuição”.

E foi interessante a cerimónia ter sido durante a semana, em terras lusitanas é que há a mania de fazer tudo ao fim-de-semana - desde casar a terminar cursos superiores.

Viva a Duquesa e a Sorbonne por saberem escolher!

Isabel BP

Helena Sacadura Cabral disse...

Minha cara Isabel BP
Nem mais. Por isso irei falar dela no novo programa "Moeda de Troika", de que faço parte e se emite pelas 23h, no próximo domingo, na RTPi.

Meu caro Cunha Ribeiro
É falso que tenha sido quem pensa, que fez as diligências. O assunto já foi desmentido pelo visado!