quarta-feira, 12 de outubro de 2011

A importância de um não...



Segundo noticiam as agências internacionais o Parlamento eslovaco rejeitou ontem o reforço do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira. Esta posição constitui uma ameaça ao agravamento da crise da dívida na Zona Euro.
O resultado da votação implicou a queda do governo de centro-direita, que associara a aprovação do reforço do fundo a uma moção de confiança ao seu Executivo.
A Eslováquia é o único país da Zona Euro que ainda não aprovou o reforço do fundo de resgate europeu, que exige a unanimidade dos seus 17 Estados membros até meados de Outubro.
Passos Coelho terá já manifestado à sua homóloga, Iveta Radicova, a apreensão que tal recusa provoca, visto que o reforço em causa se reveste da maior importância para a consolidação das finanças portuguesas.
Todavia parece haver a promessa da primeira-ministra cessante e do líder do principal partido da oposição, o social democrata Roberto Fico, de iniciarem negociações com vista à aprovação do reforço do fundo de resgate europeu.
Veremos se as promessas se cumprem e produzem resultados, porque esta negativa,. nesta altura, é tudo menos conveniente.

HSC

15 comentários:

Gaivota Maria disse...

O PPC alegou que iria ter um ataque cardíaco se houvesse um Não. Nós, portugueses, nem nisso pensamos porque já nem temos coração. Só temos ataques

DL disse...

"O resultado da votação implicou a queda do governo de centro-direita, que associara a aprovação do reforço do fundo a uma moção de confiança ao seu Executivo."

Foi uma manobra oportunista do executivo, que pretendeu legitimar-se a reboque de um voto fundamental para a UE. E assim a União (e Portugal) foi usada sem pudor como um instrumento na pequena política doméstica de um dos seus membros. Isto é muito mau.

ERA UMA VEZ disse...

Cara Helena

Em 99 andei por esses lados: Viena, Budapeste e Praga.
No percurso foi obrigatório passar pela Eslováquia.
E aquele grupo português, pacato ordeiro e feliz por viajar, assistiu ao mais insólito e desumano episódio por causa de um passaporte que o fulano da fronteira entendeu que não estava bem.

Excesso de zelo, estupidez,ele e o chefe e ali deixámos para trás uma mãe e uma filha sózinhas...
Só mais tarde se juntaram a nós em Praga, graças aos enormes esforços da nossa embaixada em Viena.

Ficámos com a pior das impressões daqueles atrasados mentais.
Depois o próprio guia explicou-nos que na altura da definição do novo país, os checos entregaram de mão beijada aquela fatia da antiga checoslováquia porque eram indivíduos preguiçosos e só armavam conflitos.

Passaram 12 anos,não sei como evoluíram mas custa a crer que tenham moralidade para impedir as grandes decisões da Europa.

Só nos faltava esta!!!

voz a 0 db disse...

"...porque esta negativa,. nesta altura, é tudo menos conveniente."

Até nem era...

Pena que as motivações da negativa não foram realmente bloquear a loucura de aumentar a Dívida, mas apenas jogadas políticas internas por forma a outros tentarem alcançar o POTE, afinal de contas não são apenas os "políticos" portugueses que querem ir ao POTE...

Claro está que os otários da Eslováquia vão aprovar o aumento da Dívida, a que se chama Fundo de Resgate (ihih nome curioso), pois se afinal de contas os burros aderiram ao € em 2009, mais burros que isto é difícil...

Não apoquentem os vossos corações frágeis, que isto não passou de manobra de ataque ao POTE...

Um Jeito Manso disse...

Helena,

Parece que a Iveta e o Robert já se entenderam e que a coisa vai resolver-se. E assim andamos, sempre com o coração nas mãos, à espera que algum dos 17 roa a corda.

Uma tristeza, tudo isto.

Mas seria um motivo de animação colectiva se o líder da oposição fosse o Robert Fico que aí coloca. Giro.

Mas hélas... acho que escolheu o Robert errado. Tenho ideia que o legítimo não tem a graça deste seu moreno.

Amanhã vou estar com atenção às notícias para ver se o 'não' é revertido e para tirar a limpo isto do Robert.

Anónimo disse...

Eu não vejo é o governo preocupado com as empresas que fecham todos os dias, nem com as pessoas que engrossam as filas do desemprego !
Alías, foi o próprio governo que matou as empresas portuguesas com as tremendas exigências legais e pesadas multas.
Agora vêem todos os dias o pessoal qualificado embarcar para o Brasil, Angola e Moçambique e os indiferenciados ficam em casa ou nos cafés a ver o Goucha, Fatima Lopes e Julia Pinheiro!!!
Entretanto os governantes andam a passear pela europa em reuniões e reuniões e discursos da treta!
O presidente entretanto, depois de dizer no tempo de Socrates que não se podia pedir mais sacreficios aos portugueses, diz agora, que os portugueses têm que estar preparados para mais sacrficios!!!

Parece que para o Presidente, os portugueses são uns otários !! Mas parece que só os otários é que não percebem !

(c) P.A.S. disse...

Eu sei que parece não ter nada a ver com o tema, mas talvez tenha quando o objectivo é ser o bom aluno da Europa.
Fala-se hoje da dificuldade da privatização das águas de Portugal, esse sector onde impera a concorrência plasmada nos Tratados. Com a pressa de mostrar trabalho, porque acima de Portugal e dos Portugueses está o umbigo e o futuro político e de não desagradar aos mandantes da nossa dívida (deles, porque eu não a aceito enquanto não se julgarem os políticos que endividaram o país no nosso nome)o p.f. está aqui bem marcado neste comentário do hiperespaço.

O RESULTADO DAS PRIVATIZAÇÕES DO SR.PASSOS

«A razão para não "existirem" interessados na Águas de Portugal é porque os principais clientes são as câmaras municipais. Um dos pedidos era a extinção completa das empresas municipais de águas e a criação de 3 super empresas de água. Com essa reestruturação já existiam várias dezenas de interessados. Vejam o caso de Coruche: Privatizaram a gestão da empresa municipal e no mês seguinte o "aluguer do contador" subiu 100% e o preço por m3 subiu 400%. Interessante é que a nova empresa "investiu logo mais de 250000" na aquisição de 3 automóveis topo de gama para a administração. Isto sim é um excelente serviço com base nos cidadãos. Como o serviço de lixos e esgotos se baseia no preço da água, os habitantes de Coruche viram a conta da água subir para mais do triplo, em média, com esta privatização. E como está estruturada a ADP não dá para a nova empresa conseguir subir os preços e poder andar a comprar 300 bmw topo de gama para os executivos»

E que não se diga que a cidadania em movimento não tem uma raiz social-democrata!

voz a 0 db disse...

Está a ver? Tanto stress para NADA...
E deita mais gasolina no fogo... que é como que escreve aumenta mais a divida... Em breve pagaremos caro esta PALHAÇADA... bem, os mais miseráveis já a estão a pagar... mais vai chegar para quase todos!

voz a 0 db disse...

E como em alturas de ataques cardíacos é preciso tomar acções.. qual acha que é a melhor: banca privada ou banca pública? E responder que ambas têm as suas virtudes não é resposta!
Na resposta (correcta) a esta questão está a cura para os ataques cardíacos e/ou pânico...

(c) P.A.S. disse...

«Alias, foi o próprio governo que matou as empresas portuguesas com as tremendas exigências legais e pesadas multas.»

Faço minhas as palavras do anónimo anterior, não compreendendo no entanto anonimatos no espaço da cidadania.

As boa intenções podem estar obviamente subjacentes a este governo mas convenhamos que é difícil de perceber como se quer reverter esta situação criando cada vez mais dificuldades às empresas.

Anónimo disse...

O Mal de Portugal

O mal que afecta Portugal assenta na ausência de interesse por parte do(s) governo(s) em apoiarem as empresas. Sem empresas não há economia.
Os governantes dizem: se a empresa não dá lucro fecha. Se não tem saúde mata-se.
O resultado desta politica cega está à vista, cada vez mais falidos.

Por outro lado existe uma dívida que devia ser consolidada e programada para ser paga em X anos e a partir de agora começava-se de novo. É isso que a DECO aconselha as familias a fazerem.

Mas não, todos os dias novos empréstimos atiram o País cada vez mais ao fundo.

Quem nos governa não percebe isso? Ou têm comissão pelo mal que praticam?

Anónimo disse...

Era uma vez ...
Eu já tive uma namorada eslovaca e ela não tinha nada desse perfi que traçou !

A eslováquia tem unidade politica, social e linguistica! A checoslováquia é que não era um pais!
Os eslovacos são um tipo de eslavos , diferente dos checos ou poloneses ou russos !
E esse caso que se passou consigo é tipico da sua mentalidade aversa a jeitinhos!!! Lá não existe a corrupção que existe em Portugal!
Lá não há a cunha para arranjar emprego! Ou fazes as coisinhas na linha ou não há pão para malucos!!!

Nós parasitamos o nosso Estado e vivemos sempre de mão estendida, a choramingar e a carpir mágoas !
Por isso qualquer politico nos engana!
Os politicos errolam um calhau num papel de rebuçado e nós atiramo-nos de cabeça !!!

Alcipe disse...

Lá no Tibete temos sentido a falta das suas visitas!

a) Alcipe

Vitor Nunes disse...

Dra Helena,
aguardo uma opinião sua sobre as ultimas medidas deste governo,estou curioso em ler a opinião de uma economista,e não só,a opinião de mãe.

ERA UMA VEZ disse...

Caro anónimo

A péssima impressão que nos ficou desse incidente que referi, talvez me leve a generalizar a minha antipatia... pela Eslováquia, o que afinal não é justo nem faz nada o meu género, acredite.

No entanto cabe aqui esclarecer que não se tratava de nenhuma infracção.
A menina era menor e estava inserida no passaporte da mãe.
Foi aceite em todos os países visitados.Tudo normal.

Quem iria adivinhar que naquele país "tão especial" a mesma menina teria de ter um passaporte só para ela? OK, é lá a lei deles...

Mas isto era caso para obrigar mãe e filha a sair compulsivamente do autocarro, a ficarem sózinhas na Hungria, sem conhecer ninguém, sem apoio, sem ter onde ficar???

Isto é desumano em qualquer lugar do mundo.
Ninguém lhes pediu que fechassem os olhos a uma fraude...apenas que entendessem que não houve qualquer intenção em transgredir.
Não era uma cunha que queríamos, apenas um pouco de compreensão para seguir rumo à Rep. Checa.Nem sequer íamos parar naquele País.

Acredito que a Eslováquia seja um exemplo de anti-corrupção, se o garante...mas aqueles que infelizmente conheci foram de uma brutalidade inacreditável.

Quanto à Embaixada que as ajudou, apenas atribuiu um passaporte em poucas horas à menina em causa, gesto humano que honrou a nossa diplomacia, salvou o passeio e conquistou a gratidão de todos nós.

Qual o País que prefere???
A escolha, claro é SUA.
A minha está feita.