quarta-feira, 4 de maio de 2011

Uma boa notícia


Esta manhã um familiar meu, dedicado agricultor, telefonava-me com voz mais animada do que o costume. Como há já algum tempo o não ouvia assim perguntei-lhe, à queima roupa, se o facto se devia às boas notícias da troika...
Não. Não era isso. Era o seu azeite que aumentara de vendas e de mercados, e a sua convicção de que talvez se tivesse começado a inverter a nossa posição de importadores, para tornarmos a ser o que no passado fomos: exportadores e auto suficientes. Fiquei feliz. Mas, por via das dúvidas, fui ao outro lado da família e aos dados oficiais para ter a certeza de que a coisa era real. Confirmava-se.
Com efeito, a secretária geral da Associação do Azeite de Portugal, afirmou que era "... a primeira vez, desde há 30 anos, que o saldo da balança comercial é positivo, muito devido à grande dinâmica e investimento que tem sido feito, com a plantação de olival e modernização, e também porque o Brasil reforçou o seu lugar como principal consumidor de azeite português".
Isto começou em 2006. Foi nesse ano quando as vendas se expandiram ao ritmo de 20%. Apesar da pressão sobre os preços da produção, o acréscimo em valor é um facto e o Brasil começou a preferir-nos à Itália e à Espanha. Oxalá a situação evolua e se alargue aos produtos de que tradicionalmente eramos os principais abastecedores.
Compremos, assim, o azeite nacional. É nosso e é bom!

HSC

6 comentários:

Rita G. disse...

Muito boas notícias:) De facto o azeite é uma das nossas grandes riquezas, e faz todo o sentido comprar português, seja azeite ou outro produto qualquer. um abraço

Anónimo disse...

Ora aí está, no meio de tanta calamidade, uma boa notícia, que a imprensa de algum modo também noticiou. Meu pai, que depois de se ter retirado de actividades financeiras (antes do 25 de Abril eram industriais, até lhe terem incendiado a fábrica após o 25 de Abril, prejuízo reflectido sobre os operários que o fizeram) se dedicou alegremente à Agricultura, dizia-me outro dia que "se não fôr o líder do CDS a defender os agricultures, num próximo Governo, o sector afundar-e-á definitivamente", isto, a propósito da última entrevista de Paulo Portas na RTP, julgo. Na verdade, é realmente espantoso que quer o Governo, quer uma boa parte da Oposição não tenha uma posição - firme - sobre esta questão, hoje cada vez mais crucial, como é a Agricultura!
Por mim, sigo uma regra simples cá em casa: tem de haver - sempre - vinho e...Azeite em casa!
Cordialidade, Helena!
P.Rufino

patricio branco disse...

Não é alheio a este facto o enorme investimento espanhol na plantação intensiva e extensiva de olival e na produção de azeite em portugal. Centenas de agricultores espanhóis compraram nos ultimos anos no Alentejo centenas de milhares de has de terras, plantaram olivais e contruiram lagares de azeite, a maioria já em plena produção.
Terras por ha mais baratas que na andaluzia e estremadura, onde alem dos preços elevadíssimos, havia escassez para vender. A existência do alqueva e de agua foi mais um factor a favor da vinda dos espanhóis, alem da proximidade.
Há consórcios e associações de agricultores espanhóis investindo no sector do azeite em portugal e vários escritórios de advogados portugueses a trabalhar para eles.
O azeite é rotulado e vendido como português pois aqui é cultivado e fabricado.
Algo feito discretamente mas com muita eficiência, organização e know how. A nossa produção e exportação de azeite aumentaram muitíssimo nos últimos anos devido aos espanhóis.
Por outro lado, diga-se que o primeiro grupo produtor e comercializador de azeite em espanha é um grupo português, a Sovena, aliás também estabelecido em outros países do mundo, incluindo os usa.
A sovena fornece inclusivamente azeites e óleos alimentares de marca branca para importantíssimos grupos de supermercados espanhois,como o exemplar mercadona.
Uma das grandes unidades industriais da sovena está na Andaluzia, província de sevilha.
Mas o aumento das nossas produção e exportação de azeite foi sem dúvida devida em grande parte aos espanhois que cá se instalaram.

Anónimo disse...

Que boa noticia...
Por cá o azeite que consumimos é da região de Mirandela e Vila Flor é uma delicia.
Isabel seixas

Fada do bosque disse...

Azeite... uma das maravilhas da Natureza, só equiparado ao mel. Realmente uma boa notícia!

roskoff disse...

Como disse alguém....
Não é alheio a este facto o enorme investimento espanhol na plantação intensiva e extensiva de olival e na produção de azeite em portugal.
logo estamos a comprar aceite propriedade de espanhóis...

Centenas de agricultores espanhóis compraram nos ultimos anos no Alentejo centenas de milhares de has de terras
isso dava uns centos de hectares
por cada

e uns milhares de km2

compraram dezenas de milhares de hectares e tornaram-nos em olival intensivo quase 900 km2 de território nacional

desde trás os montes ao sul alentjano

os comendadores portugueses fizeram o mesmo com reservas de caça e pousio e set-aside
300 km2 só em Idanha a nova e rosmaninhal e Sertã

é uma questão de mentalidade