domingo, 8 de maio de 2011

Questão de bom senso


António Barreto deu, na sexta feira, uma curiosa entrevista oa jornal i na qual refere alguns pontos que merecem reflexão, sobretudo para quem vai exercer o direito de voto no próximo dia 5 de Junho.
Não são novidades mas a serenidade com que as pronuncia, no meio de hostilidade política em que Portugal é pródigo, dá-lhes uma aura de bom senso muito útil nos tempos que correm.
Das afirmações que faz destaco, em especial, quatro:

1. A governação futura deve integrar o PS;

2. Sócrates não deverá fazer parte dela pelas responsabilidades que tem no que aconteceu;

3. O estado da Justiça e a força dos seus sindicatos que advem de conhecerem muitos segredos pessoais e profissionais e, finalmente,

4. A deshumanização da política actual..

Nestes pontos penso exactamente o mesmo. Um outro aspecto que Barreto abordou mas de que muito pouco se fala diz respeito à ruptura constante com o passado, com as anteriores governações, como se todas elas tivessem sido incapazes, ou como se fosse uma vergonha para quem se segue, reconhecer o que outros possam ter feito de louvável.
Se vivessemos numa democracia participativa talvez esta questão não se tornasse tão aguda. Mas, no mundo actual, ela chega a criar clivagens que vão muito para além da política e se estendem, até, ao ambiente familiar, fracturando aquilo que deveria ser, antes, a ponte de ligação entre gerações e ideologias.
É pena, porque trinta e sete anos de revolução já deveriam ter redimido este problema!

HSC

6 comentários:

Marcolino Duarte Osorio disse...

Drª.Helena
Gosto deste Homem, na sua simbiose, como Ser Humano e como Ser Politico, uma pérola rarissima da politica europeia!
Pena não existirem mais, como ele, em Portugal!
Cumprimentos
MO

DD disse...

Um homem muito inteligente, lúcido e de uma enorme honestidade intelectual. É de pessoas como o António Barreto que o nosso País precisa.

Anónimo disse...

António Barreto é hoje uma referência política incontornável. Tenho o maior respeito por ele e gosto de o ouvir. Uma recente entrevista sua na RTP foi igualmente interessante.
Fez bem em menciona-lo.
P.Rufino

Anónimo disse...

Corroboro.

O Dr. António Barreto faz parte das mentes mais lúcidas do país.

Isabel BP

voz a 0 db disse...

Os Portugueses sofrem de "clubite partidária" e este senhor pelos vistos também está infectado pelo vírus... A seguir ao ponto 1. já nem li o resto pois se a 1ª afirmação é deste nível, então o resto não será muito superior!

Não sei qual a dificuldade de entenderem que nestes últimos 35 anos quem (des)governou este pedaço de terra e o escavacou por completo até à BANCARROTA e POBREZA GENERALIZADA foi, atenção........

o PS... O PPD/PSD... e o CDS/PP...

Apenas quem continua contaminado pelo vírus é que ainda afirma que esta bando (é escolher um) deve continuar ao serviço... pois a ser assim só nos espera mais POBREZA e a BANCARROTA OFICIAL (estamos em BANCARROTA OFICIOSA)...

HAJA O MÍNIMO DE INTELIGÊNCIA... ACHO QUE OLHANDO PARA A HISTÓRIA NÃO É ASSIM TÃO DIFÍCIL DE LÁ CHEGAREM!

Fada do bosque disse...

Depois de ter ouvido dizer que Sócrates foi eleito Representante do PS apenas por 20% dos militantes e que todos os outros se abstiveram, sem fazer o mínimo ruído sobre o assunto, eu logo vi que havia trama e da grossa. Claro que sim e Soares está por trás.

Há 2 milhões de processos pendentes em tribunal. Troika manda acabar com eles em dois anos.
Entrevista a Poul Thomsen.
"Governo convenceu Troika a tirar a liquidação do BPN".
Finalmente!, as medidas impostas do exterior ao “Governo português” vão obrigar a resolver o processo do envolvimento do actual 1º ministro no caso de corrupção por suborno para a construção do Freeport; E (não esquecendo o Portucale do BES/CDS) vai igualmente condenar os responsáveis pelo escândalo da fraude financeira que envolveu responsáveis do PSD com funções ao mais alto nível do Estado e pôs Portugal à beira da Bancarrota. Encobrimento com encobrimento se paga, “troika queria a falência do BPN mas Sócrates segurou o banco” (Público 6 de Maio pag. 8). O grande conglomerado PS e PSD tem boas razões para se conluiar num acordo clandestino para tentarem os dois juntos e “um contra o outro” ludribiar o povo. E, ao que se sabe, quem anda a concertar esse acordo pelos bastidores é um clássico: o Botas democrático Mário Soares.


os “Programas de governo” dos traidores

Com as despesas todas pagas pelo PSD um grupo de expertos ligados ao neoliberalismo – o movimento Mais Democracia com Catroga, o ex-ministro das finanças de Cavaco Silva à cabeça – anda há meses a congeminar um programa eleitoral e concluíram que quando lá chegarem (se chegarem) vão querer “aproveitar a crise para mudar radicalmente as estruturas do Estado”. Hoje em dia quem queira saber as linhas com que nos vão cozer tem de ler a imprensa estrangeira – e assim se soube que os do PSD são mais papistas que o Papa: a direita de Passos Coelho/PSD-CDS propõem reformas mais drásticas que o próprio FMI. O professor Marcelo diz na TVI que "é preciso explicar que o programa do PSD tem dimensão social (outra refinada aldrabice). O ministro do governo diz "não acho que o FMI seja neoliberal". Por esse outro lado, ou seja, pelo mesmo lado o programa eleitoral do Partido dito “Socialista” puxa dos galões na aldrabice crónica institucional enviando à comunicação social o ministro da psicologia Augusto Santos Silva com o recado que “a Troika não pode impor medidas que violem a Constituição” (Jornal de Negócios 29 de Abril pag. 44) quando afinal o FMI-EU-BCE vieram dizer quando divulgaram o memorando que “certos aspectos da Constituição terão de ser mudados para que os objectivos do programa possam ser cumpridos”
Fonte:http://xatoo.blogspot.com/