domingo, 17 de outubro de 2010

Um Domingo abençoado

Tenho trabalhado tanto, que nem as medidas do engenheiro me têm conseguido parar. É a vida, quando se tem de continuar a trabalhar, para manter a qualidade a que cinquenta anos de ininterrupta actividade profissional deveriam dar direito. Mas isso é uma outra conversa que, um dia, aqui terei. Hoje não. Hoje estou feliz e não quero falar do que ou de quem diariamente me incomoda.
Estou feliz porque pude, de novo, almoçar a sós, com o meu querido filho Miguel. A sós durante uma hora. Só nossa. Sem netos nem irmão. Em puro egoismo!
Se alguém pudesse calcular o que para mim representam estes sessenta minutos, diria que, neste momento, me sinto a mais beneficiada das criaturas. Amo os meus filhos perdidamente, mas preciso com avidez, destes bocados com cada um deles em separado. E com o Miguel, nos últimos meses, a sós, nem pensar...
Rimo-nos imenso - somos muito parecidos - confessámo-nos mutuamente, contámo-nos estórias, enfim, troçámos muito um do outro. No meio de tanta crise, de tanta desgraça, eu só quero, mesmo, poder ver a minha família feliz.
E poder ter muitos Domingos como este: abençoados!

HSC

8 comentários:

Luzia disse...

Que bom e que interessante deve ter sido a conversa. Quando duas pessoas inteligentes conversam, mesmo que seja em ar de brincadeira, o mundo fica bem mais interessante.
Que este Domingo se repita muitas vezes Drª Helena e que a sua semana seja recheada de coisas boas.
Luzia

Margarida disse...

Que bom...
É muito bonito, o sorriso dele.
E que energia formidável vos envolveu!
O Amor faz milagres, não é Milady?
Abreijo para ambos.

Anónimo disse...

É tão bom podermos ter os nossos "Meninos" só para nós, mesmo que sejam apenas uns minutinhos ( 60m passam tão depressa) coração de Mãe fica feliz e em paz.

Obrigada por partilhar esses momentos de felicidade e alegria connosco.

Um abraço.

M.C

Helena Oneto disse...

Igoismo saudável e necessário a ambos mãe e filho/a. Á medida que o tempo passa, o tempo tem mais valor e não há relogio que consiga dar tempo a esse tempo. Ainda bem!

Tout à fait para hasard, vi hoje, pela primeira vez, o seu filho Miguel na RTPi, num programa depois do telejornal das 13h. Ele tem um sorriso lindo! a Maggie tem razão!:)

Anónimo disse...

Bonito Post, HSC!
P.Rufino

Anónimo disse...

Como duas lágrimas de chuva
Que se esgueiram sós do beiral
Encontros adentro cálida luva
Mãe filho mão dada, amor imortal

Sonhos em cima sorrisos na mesa
Pássaros voo arrulhos em espiral
São tudo verdade e toda a certeza
De vida efémera longa intemporal

Nada afasta nem tempo nem percurso
Nem distância nem preço nem custo
Ambos aceitam a liberdade diferença

Numa perpétua imaculada paixão
Sem desvelos flutuações ou senão
Apenas essência coração e pertença

Aos dois
Isabel Seixas

zeliams disse...

Ternura e carinho, para si e para os seus.
Seja muito, muito feliz!

Helena Sacadura Cabral disse...

Obrigada a todos. Comovida!