segunda-feira, 21 de junho de 2010

Indicadores...

Não é fácil ser-se economista nesta terra. De facto, para além das dúvidas que sempre nos assaltam sobre o que é que os indicadores económicos valem realmente, o que é certo é que sem eles só caminhamos no escuro. Em termos aeronáuticos, é a diferença entre navegar à vista ou por instrumentos.
Vejamos então o que se passou com os últimos indicadores revelados pelo Banco de Portugal. O que mede a actividade económica cresceu 0,2% entre Abril e Maio, sendo positivo desde o princípio de 2010. No mesmo período o sentimento económico registou uma quebra de 2,7%. O indicador de consumo privado caíu 0,1% depois de ter passado um ano a melhorar. O que mede a confiança dos consumidores, mais irregular, retomou as quedas verificadas desde Fevereiro, depois de ter estabilizado em Abril.
Não é fácil tirar qualquer espécie de conclusão destas ferramentas que vá para além de vulgaridades. Contudo parece que o peso do fraco crescimento verificado não teve qualquer significado nas expectativas dos portugueses e pouco ou nada terá influenciado o consumo. Por outras palavras, continuamos com poucas perspectivas de melhoria de vida. Podia ser pior!

HSC

1 comentário:

nando disse...

Descobri o seu blogue através do seu livro "Coisas que sei..." Estou agora a lê-lo, e a gostar.
Aproveitei a deixa dos crescimentos para comentar o seguinte:
- indicadores internacionais dizem que 20% dos seres humanos consomem 80% dos recursos terrestres,
- outros indicadores dizem que o consumo dos recursos terrestres atingiu os 40% do que a terra pode dar,
- ainda outros indicam que se todos os seres humanos vivessem (e não terão esse direito?) ao nível médio da OCDE seriam precisas 3 Terras. Acho que a Lua e Marte não têm as condições necessárias para umas hortinhas que nos possam ajudar.
É certo que Portugal precisa de superar o seu défice. Precisa de produzir mais. Mas precisa também de planear para um mundo que já não será de crescimentos para todos (como não tem sido) mas sim um mundo de desenvolvimento e não de crescimento.
Mas os políticos não o dizem, nem aberta nem fechadamente... e o povo continua a sonhar com uma esfera terrestre com capacidade para crescer em tamanho...