terça-feira, 18 de maio de 2010

Os alemães

A Alemanha é, para mim, um país que me fascina pela capacidade de trabalho, de organização, de dar a volta por cima às dificuldades. Mas que também me desagrada por uma certa dureza, um pragmatismo talvez excessivo. Ou seja, atrai-me o positivismo, mas afasta-me uma certa incapacidade de sonhar, que os latinos têm em excesso. Difícil, por isso, dizer se gosto ou não gosto. Umas vezes sim. Outras vezes não. Mas admirar, lá isso admiro porque, pessoalmente, o valor trabalho é um dos que mais prezo.
Este longo intróito serve para falar do travão ao endividamento público que o ministro das Finanças alemão já introduziu naquele país, e cujas medidas pretende ver aplicadas na União Europeia.
De facto, no ano passado, através de uma emenda constitucional, a Alemanha determinou que a Confederação não poderia, a partir de 2011, contrair dívidas superiores a 0,35% do PIB, o que, actualmente, corresponde a nove mil milhões de euros por ano. Por outro lado, os dezasseis estados federados ficaram proibidos, a partir de 2020, de se endividar mais. Em compensação, os cinco mais fracos do ponto de vista financeiro, irão receber entre 2011 e 2019, um subsídio de 800 milhões de euros anuais para consolidarem o seu orçamento.
A proposta germânica irá ser apresentada na reunião dos ministros das Finanças da Zona Euro com o Presidente do Conselho Europeu, Herman van Rompuy, a realizar na próxima sexta feira.
Ignora-se qual será a reacção. Mas o que é facto é que a senhora Merkel não brinca em serviço. Em serviço brincam os gregos. E parece que brincamos nós, também!
HSC


4 comentários:

Anónimo disse...

Ora aí está uma proposta interessante para um novo Artigo a acrescentar na Constituição a ser revista, quando se iniciar o processo de revisão constitucional. A nós então era capaz de ser muito útil. E depois, porque não alargar este tipo de obrigações ás Autarquias e Regiões Autónomas, por exemplo, visto quase todas enfermarem de débito exagerado constante?
P.Rufino

Raúl Mesquita disse...

Cara Helena e Caro P. Rufino: Hear, Hear! Raúl.

REPENSAR disse...

Hummm,será por isso que Portugal passou para 7º lugar?até 2011 faremos parte desses 5?E o que tenciona o nosso governo fazer com o dinheiro atribuído a cada um desses países?
Silvia.

zeliams disse...

Só espero que não nos tenhamos "de ver gregos" para ultrapassar esta situação!

Zélia