domingo, 10 de janeiro de 2010

Uma tarde chuvosa de Domingo...

Depois de um sábado fabuloso, a rir entre amigos, em Alcácer do Sal num dia em que o Sol entrava por tudo o que era janela e, uma das convidadas, a Alice do Procópio, estava no seu melhor, eis-me chegada a Lisboa com um Domingo desesperante. O cardápio era à escolha: ou chuva intensa ou neve!
Resolvi aceitar o convite empenhado de um dos meus filhos para ir ver o Avatar a três dimensões. Mas, como nesta família- excepto eu que sou pontualíssima-, ninguém respeita horários, quando o infante chegou o filme já havia começado. Exerci autoridade materna e recusei entrar. Filho diligente e com prática política, fez viragem de ampulheta e, relevando os elogios dos críticos, enfiou-me no Londres, para ver a Estrela Cintilante. Acrescentando que a realização era de Jane Campion cuja obra, sabe, é do meu apreço.
Belo sem dúvida. Lentíssimo. História de amor dramática com tuberculose e tudo. Campos ingleses e paisagens magníficas. Enfim, romantismo impróprio para criaturas que levam a semana a trabalhar no duro. Na sala dez pessoas...
É, nada mais nada menos, a história de amor do poeta inglês John Keats que morreu tísico aos 23 anos e que só tardiamente foi descoberto e devidamente apreciado.
Enfim, assisti a um filme de qualidade, interpretações de excelência, uma realização impecável, mas...mas uma "estória" tão deprimente que só a chuva a conseguiu suplantar.
Ele há Domingos em que devia ser proibido às mães seguirem sugestões filiais!

HSC

17 comentários:

Raúl Mesquita disse...

Helena, mais uma vez este seu amigo noctívago vai deitar-se bem disposto, graças a si. Ri-me: a tísica, a doença, a história romântica como só, realmente, os ingleses sabem fazer (será um sentimento de culpa da sua soberba Mundial ou apenas uma dualidade de carácter?), a sala vazia, mas, e sobretudo a ampulheta... brilhante! Tenho uma mas para o chá, que, aliás, nunca uso - coisas destas novas casas que vendem chá... Devia treinar mais a ampulheta mantal, como o seu infante que a levou ao cinema, olhe, no meu caso, para dizer educadamente ao TF, por exemplo, quando nos falam para não dizer nada, que o soufflé deve estar a queimar-se... É difícil dizer, eu sei. Acabo, em rodapé, com a seguinte Nota: sim, sou um bom cozinheiro, é verdade! Um beijinho, permita-me, Raúl.

Raúl Mesquita disse...

P.S. Visite o meu " blog" de hoje, je vous prie. Merci Helena!

Raúl.

MIN disse...

Mas a quem sairão estes infantes para quem a pontualidade é assim uma coisa do tempo da Maria Cachucha? Deve ser porque se desabituaram a ter relógio no pulso e vêm as horas num ecran. E eu que se saio de casa sem relógio me sinto nua.
Vá ver o AVATAR de espirito aberto. É... lindinho cheio de efeitos especiais. Para mim foi um retorno aos dias em que os levava ao Mickey. Sem os óculos, tá claro.

Rui disse...

A senhora devia ter ficado em Alcácer do Sal, ao cinema não ia( até há) mas o nosso concelho convida a sair de casa para se apreciar as muitas coisas boas que oferece, como sol, boa disposição e amigos... mas isso a senhora já conhece.

Helena Sacadura Cabral disse...

Caro Rui, não tenha dúvida. Adoro essa zona. Já andei por aí a "farejar". Mas o que vi estava acima do que eu podia. Nem mesmo com a crise lá cheguei. Queria uma casinha com um quintaleco , dois quartos, uma sala e uma cozinha. Para me aposentar das mundanidades. Mas era tudo upa, upa!Assim vou indo para os amigos. Mas não é a mesma coisa...

MIN disse...

Pois bem muito embora não tenha ( ainda mas não perco as esperanças!) o prazer de me poder contar entre os seus amigos, coloco já a minha casa à disposição: No meio do Porto sim mas com um enorme jardim romântico e uma casa do SEC XIX onde poderá descansar numa simpática biblioteca.Que lhe parece??

Margarida disse...

Ué?! O meu comentário sumiu?!
:(
snif...

Helena Sacadura Cabral disse...

Como sumiu. Tem a certeza de ter carregado em "publicar" com essa cabecinha cheia de vampiros e twinlights? Escreva de novo please. Faça-o pela sua Mylady!

Helena Sacadura Cabral disse...

Adorei o comentário de hoje no nosso Embaixa. Leia o que lá escrevi por sua causa. :))

Aldina Duarte disse...

Também fui ver a Estrela Cintilante, no Domingo passado, mas no Monumental... achei uma escolha muito adequada ao dia invernal :)

Feliz ano novo, querida Helena! E que 2010 renove a coragem para continuar a perseguir os seus sonhos!

Margarida disse...

Eu nunca quero crer na sua bonomia face às minhas trapalhices, mas a verdade é que ela é desmesurada!
Li, sim... (e ele não é um charme?! Puxa..) ;)
Pois aqui havia escrito algo sobre pretender ver o filme (adoro históias de amor - e repito-me imenso com isto!) e voluntariava-me (cof, cof) para acompanhar à sessão sempre que houvesse falha do outro lado.
(dream on girl)
O resto (se houve) varreu-se-me, que eu é mais vampiros e assim... ;)

Helena Sacadura Cabral disse...

Seguindo agora o acordo ortográfico digo, Aldina ti adoro.
Mas não veio deprimida? Eu vim com uma espinha atravessada no coração com aquela mulher enlouquecida pela ausência... A poesia, essa matou-me. Lindíssima!
Beijos mil e um ano 2010 como a minha cantadeira preferida bem merece. E um abraço a essa metade que a faz feliz da amiga Helena

Aldina Duarte disse...

A força da realidade daquela tarde invernal superava qualquer ficção, digamos assim, e, acima de tudo, a poesia relativizou as dores maiores, não fiquei deprimida, pelo contrário, colhi no momento certo a beleza e a consolação que só a contemplação artística nos pode dar:)

Aquela mulher escolheu ser o poema, são (des)gostos, tendo em conta a beleza daquela clareira...

Muitos beijinhos, Helena!

Anónimo disse...

Este Seu post fez-me lembrar uma história de amor frustrada, onde o chegar atrasada assumiu uma importância diferente do previsto...

A sra. minha Amiga de cinquenta anos divorciada há alguns anos, encetou uma relação com um senhor cujos atributos em termos de afectividade Lhe "enchiam as medidas" e faltava a prova final que iria ser um jantar romântico com uma bela surpresa que a Sra. presumiu ser um anel...

A Sra. arranjou-se a preceito e quando chegou ao restaurante tendo-se atrasado qb no intuito de se fazer desejada não aguentou o tipo de recepção do cavalheiro que a aguardava... e disse ... Olha nunca mais vinhas eu estava cheio de fome e já jantei. Numa réstia de esperança a Sra. ainda perguntou se o cavalheiro já tinha degustado a sobremesa...

Claro!...

A Sra. não aguentou o sentido prático do cavalheiro e foi embora, para nunca mais voltar...
Enfim...
Isabel Seixas

Margarida disse...

Aldina Duarte as in ALDINA DUARTE?!
A fadista? A senhora-mulher-linda?!
Deuses!!
Este espaço é tão bem frequentado que até fico sem jeito de rabiscar por aqui!
Isto é a modos que um Olimpo, caraças! (pardon my french)
Lucky Milady!
:)))

Helena Sacadura Cabral disse...

Ela mesmo. Uma das mais deliciosas pessoas que conheço. Adoro-a e creio ser retribuída.
E embora ambos os meus filhos sejam fãs dela, eu conheci-a por iniciativa própria.
Considero-a a maior e é "gente". O que já é muito raro encontrar. Além de linda, claro!

Lura do Grilo disse...

"Exerci autoridade materna e recusei entrar.". Nem mais ... é assim mesmo. É sempre altura de "educar". Num destes dias deixei um filho em casa (mais novo que os seus) e parti para a Escola com o outro. Teve que ir a duas rodas. Bem feito!