terça-feira, 1 de setembro de 2009

Os bons e os maus

Ainda estou "atoleimada" como dizem os açoreanos. É que depois de um mês sem notícias, chego ao continente e tenho dificuldade em me adaptar ao novo ritmo.
Hoje de manhã, enquanto tomava a sagrada bica no café da rua - apesar da bela Nespresso que possuo, continuo a sair para engolir a mistela acastanhada -, passei os olhos pelo Correio da Manhã, o jornal disponível na tasquinha, e li a crónica do meu estimado Francisco José Viegas.
O tema surpreendeu-me. Não devia. De certo foi por ter andado no nirvana e ter esquecido o que por cá se passava. Parece que Socrates terá insistido naquela blague de que eles, o PS e o seu chefe, é que serão os paradigmas da modernidade e da excelência. Os outros serão uns néscios que pretendem deitar mão a um país que, há quatro anos, é o paraíso na terra. É com este distinguo que se pretende enganar os tolos. Pior. Depois deles, ou melhor, sem eles, só a catástrofe nos pode acontecer.
Não será, já, altura de alguém dizer a estes senhores que estamos no sec XXI e não no sec XVIII? Que democracia implica diversidade de opiniões e que maltratar os opositores só os favorece? Que diabo, o eng. Sócrates começou no PSD e não devia esquecê-lo...

H.S.C

7 comentários:

Margarida disse...

... ai..., disto tudo só me apetece comentar sobre o café (eh, eh...)
Pois eu já não passo sem a minha Nespresso. Qual café na rua! São dois, três, quatro, entre 'decaf.' e 'Roma' e etc e tal...
Crónicas..., hmmmm
Política ... arghhhhhhhhh!!!!!....
(eu e três quartos do país; para que conste).

Sérgio Aires disse...

Espero que me perdoe a intromissão... a porta estava aberta... mas como vi que aprecia o que o Francisco José Viegas escreve sugiro que sempre que quiser passe por aqui: http://www.fjv-cronicas.blogspot.com
Passará a ter sempre à disposição as Crónicas do Francisco.

Manuela Araújo disse...

Faz lembrar a "filosofia" de Pangloss, do "Cândido" de Voltaire: "tudo está bem quando está pelo melhor possível"...
E bem que o discurso político podia ser mais elevado e concreto.

TERESA SANTOS disse...

Claro! Depois do nirvana é, de facto, difícil engrenar nesta "loucura" que acometeu o nosso País.
E o esquecimento é trágico...

Margarida disse...

Milady, o Sérgio Aires tem um (foto)blogue 'supimpa' que está nos meus links - 'O outro'...
É fãzoca do FJV (nota-se, não é?)
:))

Helena Sacadura Cabral disse...

Sou fã e há muito tempo. O Francisco tem a raríssima qualidade de ser inteligente, culto, bom amigo e de gostar de coisas de que eu muito aprecio, como seja comer!

Lura do Grilo disse...

Vejo que a Helena terá desfrutado dos Açores. Saudades ... também adoro lá ir. Adoro aquela gente simples, o mar, a paisagem...

Sobre o discurso destes bons (opinião deles sobre eles próprios) faz lembrar o Sermão do Padre António Vieira quando analisava as razões do sermão ser pouco eficaz. Uma era o pregador não dar o exemplo... mas havia muitas mais.

Bjs e muita saúde