quinta-feira, 2 de julho de 2009

Os azares de Socrates

O Primeiro Ministro anda em maré de azar. Depois do desastre das Europeias e dos debates que lhe não correram bem - nomeadamente o da PT/TVI - este estava em bom andamento. Até ao lamentável incidente. Que, em período eleitoral vai, certamente, ser objecto de multiplo repasto.
José Socrates precisava de tudo, menos disto. Mas, assim como o critico quando entendo que o merece, também devo dizer que o PM se portou bem face ao sucedido. Foi rápido, pediu desculpa ao partido visado e ao Parlamento, condenou o gesto, e encontrou uma solução de recurso que era a única possível, neste momento, a três meses de eleições.
De facto, ou vai à bruxa, ou tem que pedir a proteção do seu anjo da guarda, mesmo não sendo crente. É caso para ele se perguntar " que mais me irá acontecer?!".

H.S.C

6 comentários:

Margarida Pereira disse...

Também gostei de o ouvir.
Não fosse um pouco desagradável e até diria:"coitado...".
Mas esta palavra, ai...

Anónimo disse...

Sócrates ainda é o único a sobreviver bem no meio da mediocridade reinante. Governar num dos piores períodos não é para todos. Vejam se há algum dos nomes sonantes da politica portuguesa que tenha tido a coragem de avançar ?
Ninguém. Encostados aos holofotes das várias televisões lá vão debitando algumas anormalidades para cativar espectadores e pouco mais. Ai Sócrates.. Sócrates se te vais embora isto é a burrada total. Já sem contar com o rasgar de tudo feito ao longo de quatro anos segundo diz aquela senhora que gosta muito do Santana hoje ao contrário do ano passado. Fui ao Jardim da Cleeste Giroflé giro..... Gonçalves

Pedro Lopes disse...

um país de tourada
um país de fingir
um país à paulada
um país de fugir

este não é o meu país
mas que país é o meu?
um país de escarcéu
o país ensandeceu?

Anónimo disse...

Para grande males, grandes remédios e assim teve de ser tomada uma “swift decision”. Well done PM! “Noutros tempos”, se se recordam, houve um outro Ministro que, por causa de uma anedota desajustada, também teve de ser mandado (e muito bem) para casa. Como dizia e bem ontem, na TVI, Miguel de Sousa Tavares, este episódio, sendo lamentável (e patético), não é mais do que isso. Faz-me muito mais impressão e choca-me muito mais as trampolinices dessa gente sem escrúpulo que viveu “encavalitada” nas Administrações do BCP, BPN e BPP, vigarizando a clientela e apresentando-se agora com ar de anjo: “nada fiz”, “não cometi nenhuma irregularidade”, fazendo, ainda, uso de aviõezinhos privados, etc. Pinho foi o que todos sabemos e “escolheu” “suicidar-se” em público e num lugar que lhe deveria merecer Respeito. Mas, hoje, já é passado. Já a trafulhice nos ditos Bancos, a ver vamos como terminam. Madoff? Isso é do outro lado do Atlântico!
P.Rufino

António de Almeida disse...

Um pouco como a Lei de Murphy, quando algo pode correr mal, então vai correr mal...

Francisco Castelo Branco disse...

Ele é que escolheu os Ministros.

Pinho e Lino, como naquela rábulo do Gato Fedorento são os Ministros que mais bakoradas e gaffes dão.

Podem ter qualidade.
Mas quando abrem a boca só dizem asneira.
E são os bobos do governo.
Por isso quando falam ou tomam decisões ninguem lhes liga.

O Pinho já foi, já só falta Lino..