quarta-feira, 29 de julho de 2009

A identidade

Com tantos desejos de boas férias o meu ego está imenso. Assim, vou retribuir, voltando aqui a partilhar uma "estória".
Hoje, num restaurante onde se come muito bem - não refiro o nome, por enquanto -, eu esperava duas amigas. Uma por norma é pontual. A outra ao invés.
Sentei-me de frente para a rua, quando ainda estava pouca gente. Alguns minutos passados , a mesa do lado é ocupada por dois homens. Ambos empresários. Ambos muito perto - a mais ou a menos - dos cinquenta.
Eu abanava-me com um leque - é chic e bom! - porque o ar condicionado da varanda não estava a libertar-me do calor. A determinada altura senti-me olhada. Ora, na minha idade, não seria o meu visual que estava em causa. Mas, como estava com uns grandes óculos escuros, admiti que estaria a ser confundida com alguém conhecido.
Foi nesse instante que um deles - sorte dos Távoras, um belo exemplar do empresariado - ensaiou dirigir-me a palavra, perguntando-me: " desculpe, não é a mãe dos...".
Cortei cerce, respondendo: "sou a Helena Sacadura Cabral". Segundos de angústia do outro lado, que eu não ajudei a resolver, mantendo-me silenciosa. O meu interlocutor, se pudesse, teria fugido dali a sete pés!
Só quando haviam passado uns dois minutos é que soltei uma gargalhada e respondi: "...e sou a mãe dos Portas, se era isso que me ia perguntar". O rosto de alívio voltou a dar cor ao jovem cinquentão que, na hora, me explicou que ficara deliciado com uma entrevista que o meu filho Miguel concedera recentemente.
Foi a minha vez de brilhar e de agradecer o elogio, tratando-o pelo nome. De família, claro, para condizer com o chic do meu leque. O seu ar surpreendido de rendição aos meus conhecimentos genealógicos, foi a cereja em cima do bolo deste meu dia de férias, no qual brilhei a grande altura. Tornando-me, aliás, muito mais interessante que umas esbeltas jovens que estavam perto e não percebiam patavina do meu sucesso...
Finalmente as minhas amigas chegaram! E eu vi-me grega para lhes explicar, no momento, a razão do inesperado convívio com a mesa do lado.

H.S.C

8 comentários:

Anónimo disse...

Divertida "estória". E boa resposta: "...sou a HSC...!" Gostei. Mas tem "duas boas razões" para se orgulhar do nome Portas. Estando "arredado" das Tvs, por feitio, por estar de férias igualmente, por viver um período de letargia, etc e tal, não vi a tal entrevista, que, seguramente, teria gostado de ver.
Continuação de boas férias, é o desejo deste seu virtual amigo e admirador,
P.Rufino

Margarida Pereira disse...

Ai o vício da bloguice está instalado! eh, eh, eh!
E depois, vem fazer-nos cóceguinhas!
Grrr, que inveja dessas 'socializações' deliciosas!
Que malandrice!
A história é formidable!
Je vous embrace fort.

Margarida Pereira disse...

...depois ficqui a matutar na foto..., "eu conheço aquele fidalgo", pensei, já adeslizar para o país dos sonhos..., 'qualquer coisa "de Botton", não é?!'; Hmmmmm, amanhã vou escrever a Milady...

Bonjour!
Bela foto (if you know what I mean... ;)

TERESA SANTOS disse...

E eu por aqui, à procura do milagre. E o milagre de mais um post aconteceu! E com uma "estória" mesmo ao jeito da nossa querida, e prezada amiga, Helena Sacadura Cabral.
Só tive imensa pena do empresário. Imagino a cara do pobre! Mas penso que depois do susto inicial, a conversa subsequente o compensou largamente.

Continuação de boas férias.

Helena Sacadura Cabral disse...

Oh! Meu caro P. o que eu tenho são três boas razões para me orgulhar do nome Sacadura Cabral. Os meus filhos que o são, apesar de não parecerem, e o meu tio, irmão mais velho do meu Pai que, feito herói, se meteu numa autêntica casca de noz e com o Gago Coutinho atravessou o Atlântico e rumou ao Brasil.
Quanto ao nome Portas é "apenas" dos infantes e do pai dos ditos. Nunca foi meu, pese embora o orgulho de ter convivido com tal família.
O dono a seu dono...

Helena Sacadura Cabral disse...

Ah! E eu também não vi a entrevista, porque até 10 de Outubro não ligo televisão. Como podem perceber, trata-se de uma medida de sanidade mental indispensável ao meu equilíbrio!

Anónimo disse...

Mãe dos Portas...
Será sem dúvida honroso ter filhos desse calibre mas é redutor...

Enfim coisas da vida...

Paulo Calvo

João disse...

Espero que me desculpe o descaramento, mas a Menina é mil (só??) vezes mais interessante do que qualquer esbelta jovem que frequente um qualquer restaurante "in" de Lisboa.

Talvez por lhes faltar a flor na lapela. Ou não! :D