sexta-feira, 26 de junho de 2009

Isto não está a correr bem...

Não gosto de mentiras. Por isso não gosto de política.
Não gostei da forma como o governo tratou da questão da compra de 30% da TVI pela PT. Porque, se Sócrates não sabia - e eu não acredito nisso -, devia saber, detendo o Estado as "golden share" que detém. Deu de si uma má imagem e acabou por ter de vetar um negócio no qual parecia estar interessado.
Alguém faria pior?

H.S.C

3 comentários:

Lura do Grilo disse...

Um desastre...uma comédia trágica.

Anónimo disse...

Em sintonia consigo, Helena Sacadura Cabral. Também não gosto de mentiras. Infelizmente, na Política, é, se não a “regra”, o “costume”, a “prática”. E é, talvez por isso, que ela, a “Política”, começa a ficar, cada vez mais desacreditada. Esta “prestação” de José Sócrates no caso “Media Capital/Prisa/TVI” deixou “amargos de boca”, mas, acima de tudo revelou aquilo que já se tinha percebido. É extraordinário, mas José Sócrates tem vindo a trilhar um caminho suicida, de forma gradual, uma espécie de atração pelo abismo, uma insensatez, uma falta de visão política, não sei, que chega a ser patético, mais – penoso, assistir. Conseguiu a “proeza” de “liquidar” a hipótese de uma segunda maioria...em apenas 3 anos. Se há 1ano tivessem sido realizadas eleições, já não a conseguiria obter, apesar da “mentira” das sondagens ao tempo.E já não há ninguém que lhe acuda. Nos Ministérios, o pensamento dominante, ou palavra de ordem, para “aqueles que ocupam lugares de destaque...por razão de nomeações de confiança política, é “como vamos sair desta confusão”, quando “outros chegarem e começarem a ditar as novas regras”, muito provavelmente com recurso a uma maior decência no plano da Administração Pública. Por último, esta “aliança” entre J.Sócrates e aquele indivíduo da PT, o tal Bava, tem sido...”preocupante”. Esperemos que o próximo Governo tenha a coragem de “correr” com o dito, sem remorsos! A PT não pode estar nas mãos de pessoas sem escrúpulos. Mas, voltando ao início da história, todo o episódio é revelador, no fundo, do Estado a que chegámos. Impressionante!
António Forjaz de Almeida

Margarida Pereira disse...

O título é de-li-ci-o-so!!!!!
:))))