domingo, 17 de maio de 2009

Pronto, já está!

Pronto, já está! Vem uma criatura retemperada, a pensar no próximo fim de semana e apanha logo um soco no estomago.
Novo engano nas estatísticas. Afinal a performance nacional é só a pior das últimas tres decadas. Não há nada que se salve. Excepto o nosso PM que, embora preocupado, nos diz que apesar de tudo, nos posicionámos melhor do que a média europeia...
Haverá paciência?
Não haverá ninguém que faça compreender aos nossos governantes que todos precisamos da verdade e não de falácias?
Não haverá ninguém no PS com coragem de dizer que "o governo vai nu"?
Não haverá na maioria uma alma que denuncie que estamos a comer o futuro de filhos e netos e a comprometer vidas que nem sequer podem pronunciar-se?
Pronto, já está! Estragada a boa disposição e aniquilados os post's bem humorados.

H.S.C

4 comentários:

Margarida Pereira disse...

Hmmm, isso passa! (que remédio!)
Ou então..., toca a voar outra vez! ;)
Se bem que não é por mudarmos de local que os problemas se vão...
Apenas nos 'esquecemos' um nadinha.
Às vezes é preciso...
Quanto à ilusão (para não dizer mentira), nós já sabemos. Toda a gente sabe. O mal reside aí: cada vez mais se desconfia. De todos.
Lá está: paga o justo pelo pecador...

Ana Catarina disse...

Caríssima Helena Sacadura Cabral,
é de facto de lamentar que a política e o estado de coisas em Portugal tenho acabado com o seu estar de bem com o mundo da sua ida a Paris...
Na realidade, todos os dias somos confrontadas com informações e desinformações que raramente nos deixam estar de bem com mundo,a não ser quando "fugimos" e por isso precisamos "fugir" por uns dias, ou semanas, se possível até mais...para conseguirmos ficar de bem com o mundo....
por isso é tão bom viajar.....
Mas é difícil conseguir entender porque é possível tanta falsidade na nossa política....

Margarida Pereira disse...

Em adenda..., a imagem é um mimo hilariante!
Tadinho do bichinho..., dá vontade de abraçar e beijocar até se rir. Muito!

Anónimo disse...

Nah, nah! Os Post’s bem-humorados não se estragam com qualquer palavreado. Comigo “tretas” não me retiram o humor. É cá uma defesa que me imponho. Há um amigo meu que tem uma “receita” humorística para olhar as coisas de outra forma: ao contrário. Diz ele assim, com um sentido de humor finíssimo e pretender “ao sério”: “é tudo uma questão de perspectiva. Se olhamos estas coisas de trás para a frente, veremos que até não estamos mal classificados. Somos os primeiros dos últimos, ou estamos quase lá por perto, meu caro. Tudo depende pois de como se olha para as situações. Se fizeres o pino, o solo estará bem mais perto não é? É a mesma coisa com as nossas performances na economia. Há que ter calma!” E diz isto num tom “neutro” que por vezes leva à incredulidade de quem o ouve. Uma amiga minha dizia-me, há tempos: “aquele teu amigo é um pouco para o bizarro não é? Sempre que se critica algo, se diz mal de qualquer coisa, lá vem ele com a perspectiva ao contrário!”
Esta história fez-me recuar no tempo e recordar-me de uma “boutade” que me contavam lá por casa, da autoria do inefável Almirante Américo Tomáz (ou Thomaz!): de que “a Madeira, dentro, das ilhas mais pequenas era a maior”. Ora aí está! Esta fórmula foi a melhor encontrada por aquele genial estadista para alegrar os Madeirenses de então. E não será verdade? São as tais evidências, como 2 e 2 ser 22 e não 4, porque para isso ter-se-ia de dizer 2+2. Não é? Helena, há outras formas de nos divertirmos, dentro do relativo (por respeito para que com isto está a sofrer, naturalmente), que é “ouvi-los”. Há gente “profunda”, convenhamos. Outros “cómicos”. Como dizia o tal meu amigo: “depende da perspectiva” (outro dia enviou-me um e-mail sobre uma “tirada” e contorci-me a rir, em frente ao meu computador, lá em casa). O meu avô do Douro dizia muitas vezes que este era um país patusco. Mas acho que já foi mais.
P.Rufino