quinta-feira, 21 de maio de 2009

A Galpada...

A Galp não gosta de perder nem a feijões. Por isso, ao ver que 30% do seu mercado estava, já, nas mãos das marcas brancas (supermercados e similares), decidiu lançar uma campanha negra -esta frase tem hoje grande sucesso entre nós - acusando aqueles produtos de falta de qualidade. Confiava, seguramente, na sebastiânica "protecção" que a AAC - Alta Autoridade para a Concorrência - parece dispensar-lhe, pese embora o seu lamentável lugar em matéria de transparência.
Só que nem a creme de la creme dos políticos que, em fim de carreira, lá se refugiam, conseguiu evitar que as autoridades oficiais se vissem forçadas a afirmar que nada diferenciava a qualidade dos seus produtos e o das mencinadas marcas brancas.
Conclusão, em lugar de levantar a desconfiança no mercado, acabou por consolidar a posição dos materiais que pretendia atacar...


H.S.C

5 comentários:

João disse...

Desculpe discordar...mas ainda alguém se acredita nas "autoridades oficiais"? Não é também a AAC uma "autoridade oficial" pertencente a este "estado de direito" em que vivemos?

Anónimo disse...

A Galp tem tido um papel inqualificável, desde há anos. Agora, esta campanha que aqui é referida só vem demonstrar à evidência o seu “papel” moral em tudo isto. É confrangedor ver que em larga medida é o Estado e suas empresas quem faz pior figura em todo este “sarilho” em que nos encontramos, há um tempo a esta parte. Mas, já nos vamos habituando.
P.Rufino

Helena Sacadura Cabral disse...

Pois foi a AAc que teve de "reconhecer" o facto...

viajante disse...

Sempre que posso fujo da GALP, (como da PT...) Mas são a BP, REPSOL...mt melhores? E as marcas brancas por estes lados não aparecem.

hfm disse...

Por instinto estou sempre do lado dos mais pequenos... sobre assunto gasolina já por lá andava mas, quando vejo a pesporrência dos grandes, gosto mesmo de os ver vencidos e ainda mais ver virar o feitiço contra o feiticeiro.